Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

ÁGUA MORNA TRAZ BENEFÍCIOS PARA A NOSSA SAÚDE



Benefícios da água morna

Água morna !..Água gelada!...

Água morna

Um grupo de médicos japoneses confirmou que água morna é 100% efectiva na solução de alguns problemas de saúde. Incluindo:

_Dor de cabeça e enxaqueca
_Pressão sanguínea alta/baixa
_Dores nas articulações
_Aumento e redução súbitos de batimentos cardíacos
_Epilepsia
_Aumento dos níveis de colesterol
_Tosse, desconforto corporal, coqueluche, bloqueio nas veias e asma
_Doenças relacionadas ao útero e urina
_Problemas estomacais e falta de apetite
_E todas as doenças relacionadas à vista, audição e garganta.

COMO USAR A ÁGUA MORNA

_Levante-se cedo de manhã e tome aproximadamente 4 copos de água morna com o estômago vazio. Não coma nada nos 45 minutos seguintes.
_Poderá ser difícil de tomar os 4 copos no início, mas paulatinamente conseguirá.

_A terapia da água morna vai resolver os problemas de saúde num período razoável:

_Diabetes em 30 dias
_Pressão sanguínea em 30 dias
_Problemas ligados ao estômago em 10 dias
_Todo o tipo de câncer em 9 meses
_Bloqueio das veias em 6 meses
_Falta de apetite em 10 dias
_Problemas ligados ao útero em 10 dias
_Problemas nazais auditivos, e de garganta em 10 dias
_Problemas femininos (?) em 15 dias
_Doenças do coração em 30 dias
_Dores de cabeça/Enxaqueca em 3 dias
_Baixa pressão sanguínea em 30 dias
_Colesterol em 4 meses
_Epilepsia e paralisia contínua em 9 meses
_Asma em 4 meses

A ÁGUA GELADA FAZ MAL PARA VOCÊ
_No passado, dizia-se que: se a água gelada não lhe afetar na juventude, vai afetar na velhice.
_A água gelada fecha 4 veias do coração e causa ataque cardíaco.
_Bebidas geladas são a principal causa de ataques cardíacos.
_A água gelada cria problemas no fígado; prende a gordura ao fígado. Muitas das pessoas que aguardam por um transplante de fígado, são vítimas da água gelada.
_A água gelada afecta as paredes internas do estômago.
_A água gelada afecta o estômago e o intestino grosso, causando câncer.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

CHIP QUE CURA



Na situação actual de funcionamento dos negócios da saúde – laboratórios farmacêuticos , hospitais e médicos - com desmedida ambição de dinheiro, este tratamento será boicotado por todo o sistema, a não ser que o ponham por preços exorbitantes de forma a os produtos actuais não sentirem a concorrência. Estamos num mundo diabólico com o domínio da droga chamada dinheiro. Oxalá o meu pessimismo não venha a concretizar-se e que este tratamento milagroso se torne a realidade esperada.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

O SOL, A VITAMINA D E A NOSSA SAÚDE

Transcrição

Vitamina D. Quando o sol é mesmo uma fonte de saúde por excelência

Diz-me quanto tempo passas ao sol e dir-te-ei como será a tua saúde. Neste que é o Dia Mundial da Vitamina D, o Lifestyle ao Minuto falou com duas especialistas sobre a importância da vitamina do sol.



Vitamina D. Quando o sol é mesmo uma fonte de saúde por excelência. © iStock

 Portugal é um dos países com maior bênção de luz solar do mundo, mas, mesmo assim, os portugueses conseguem apresentar baixos níveis de vitamina D, até mesmo quando comparados com os nórdicos.

No ano passado, um estudo do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra conclui que 65% da população nacional carece deste micronutriente, mas, se somos um país bastante solarengo, porque é que temos pouca vitamina D? A resposta é simples: "Tem tudo a ver com o nosso estilo de vida".

Em conversa com o Lifestyle ao Minuto, a farmacêutica Inês Veiga explica que "temos um país com uma disposição geográfica muito privilegiada, mas não apanhamos sol suficiente. Tem a ver com a nossa cultura, com o nosso estilo de vida, nós só apanhamos sol durante o verão e mesmo no verão não apanhamos sol diariamente".

As recomendações nacionais e internacionais para se conseguir manter bons e estáveis níveis de vitamina D no organismo sugerem uma exposição solar direta e desprotegida de 15 minutos por dia. "Sete dias por semana, doze meses por ano. Quinze minutos por dia durante todo o ano era o ideal, mas o que acontece é que só apanhamos sol durante o verão e mesmo no verão apanhamos mais radiação solar nas férias e no resto do verão apanhamos só sol ao fim de semana", continua a especialista, que destaca que "temos um outro problema adicional ao qual nem devemos chamar problema e que tem a ver com a redução do risco de cancro da pele e, felizmente, hoje muita gente recorre ao uso de protetor solar". "Mesmo quando vamos à praia e nos expomos ao sol no horário ideal para a produção de vitamina D - que é precisamente no horário em que nos dizem para não irmos à praia, entre as 12h00 e as 15h00, quando a radiação solar atinge a terra de uma forma perpendicular - nós barramos-nos com protetor solar e basta mesmo um fator de proteção solar de 15 para bloquear em 95% a capacidade que a pele tem de produzir a vitamina D", explica.

Para Inês Veiga, "estes dois fatores são extremamente importantes para justificar que na população portuguesa haja baixos níveis de vitamina D: a pouca exposição solar durante o ano e a exposição feita no verão acontece com o recurso ao protetor solar".

O que é a vitamina D e para que serve esta 'dádiva' solar

A vitamina D é um micronutriente de base lipossolúvel que se apresenta sob a forma de vitamina D2 - calciferol - e vitamina D3 - colecalciferol. O sol é a maior fonte de vitamina D, mas esta pode ainda ser encontrada em alimentos de origem animal (vitamina D3) ou em alimentos de origem vegetal (D2), embora a sua absorção pelo organismo seja menos eficiente do que a vitamina D obtida diretamente da luz solar.

De acordo com Inês Veiga, "as pessoas já estão sensibilizadas para a questão da deficiência [de vitamina D], o que as pessoas ainda não perceberam são as consequências que isso pode ter". A mais conhecida tem a ver com uma das principais funções da vitamina D que é a absorção do cálcio. Na prática, se tivermos baixos níveis de vitamina D no organismo, não conseguimos produzir uma hormona que se chama calcitriol, que é responsável pela absorção de cálcio, "aumentando o risco de osteoporose".

Mas esta não é a única patologia associada à falta de vitamina D. "Vários estudos mostram que as pessoas que carecem de vitamina D têm um risco aumentado de, por exemplo, diabetes, doenças cardiovasculares, doenças infecciosas e li há pouco tempo um estudo interessante acerca da relação da deficiência de vitamina D no inverno com o risco de gripes. Faz-se muito vacinação para a gripe, mas o que as pessoas possivelmente precisavam de fazer era suplementação com vitamina D", diz, destacando que "há, de facto, uma associação importante entre a deficiência de vitamina D e o risco de doenças infecciosas, inclusivamente um risco acrescido de cancro".

"A vitamina D tem funções em todo o organismo, não é apenas importante para absorção de cálcio, todas as células do nosso organismo têm recetores de vitamina D, portanto, o papel dela é muito mais abrangente do que a calcificação do osso", frisa.

Segundo a nutricionista Ana Teresa Macário, a vitamina D em doses corretas pode ainda "contribuir para o estímulo do nosso sistema imunitário e existem estudos que relacionam a deficiência de vitamina D com estados depressivos".

Por se tratar de uma vitamina que requer o acesso à exposição solar e por se tratar de uma vitamina com um tremendo impacto na saúde óssea, existem algumas pessoas que encaixam nos ditos grupos de risco. É o caso dos idosos: "Temos uma população cada vez mais envelhecida, que não se expõe ao sol e que, adicionalmente, tem outra limitação: a partir dos 60 anos, a capacidade que a pele tem de produzir vitamina D reduz para 25%. Mesmo uma pessoa idosa que tenha o cuidado de andar na rua e de se expor ao sol, já só tem a capacidade de produzir 25% de vitamina D, comparativamente com o que produzia quando tinha 20 anos". Mas não só: grávidas, crianças, pessoas internadas, reclusos... "De uma forma geral, mesmo pessoas saudáveis e jovens que trabalhem num escritório com janelas correm o risco de carecer de vitamina D, porque a radiação solar não atinge diretamente a pele e não consegue produzir a vitamina D", alerta a farmacêutica.

Cansaço, ossos partidos, fraqueza muscular e gripes/constipações frequentes e 'fora de horas' são alguns dos indícios mais claros de que o organismo possui baixos níveis da vitamina do sol.

Quando a alimentação não chega para fazer frente à má exposição solar

"Temos diversas fontes de vitamina D, mas não são suficientes", começa por dizer-nos a nutricionista Ana Teresa Macário.

Embora a vitamina D esteja presente em alimentos como o queijo, o iogurte, o leite, o ovo, o salmão, o atum, a ostra e o cogumelo, a verdade é que o seu impacto no organismo fica aquém do desejado, embora a "biodisponibilidade da vitamina D" em alguns destes alimentos é "boa, porque também existe magnésio e fósforo e estes três minerais permitem uma maior absorção do cálcio nos ossos, que é a principal função da vitamina D".

Uma vez que se trata de uma vitamina lipossolúvel, acaba por "estar nesse tipo de alimentos com alguma gordura. Quem consome, por exemplo, leite magro, vai ter um menor aporte de vitamina D do que quem consome leite meio-gordo, por isso é que recomendamos o leite meio-gordo às crianças", frisa.

Por estar maioritariamente presente em alimentos de origem animal, a iminência de carência por parte dos vegetarianos é uma questão ainda não muito explorada por quem segue este padrão alimentar. De acordo com a nutricionista, "é possível obter vitamina D através de uma dieta vegetariana, mas é uma forma da vitamina, a D2, que é muito menos absorvida. É o calciferol, que é uma forma não ativa da vitamina D, existe, por exemplo, nos cogumelos. Há alimentos de origem vegetal que contêm vitamina D, mas não é uma vitamina D com biodisponibilidade como a vitamina D3, que é a forma ativa da vitamina".

Então, como é que se consegue assegurar a qualidade mínima de vitamina D quando se apanha pouco sol e não se consegue beneficiar totalmente da alimentação? Através da suplementação. Embora o Infarmed tenha alertado para um "anormal" consumo de vitamina D, a verdade é que a suplementação continua a ser a forma mais eficaz e segura de obter este nutriente fundamental para a saúde e bem-estar humano.

"A suplementação deve ser recomendada por alguém especializado", diz Inês Veiga, revelando que "os médicos prescrevem muito doses mensais, de toma única num mês, mas o que vamos ter é uma mega dose de vitamina D e costumo comparar isso muito à água. O que é saudável é beber 1,5 litros por dia. Na vitamina D, o ideal era tomar 15 minutos de sol todos os dias do ano. Não faz sentido dizer às pessoas que se não gostam de beber água todos os dias, que podem beber 45 litros num dia por mês e depois não precisa de beber mais água. Não é fisiológico apanhar escaldões no verão e depois não apanhar mais sol no resto do ano. A suplementação deve ter uma dose diária equilibrada e ao longo de todo o mês, para se conseguir manter níveis equilibrados, níveis fisiológicos da vitamina D".

Cuidados a ter na hora de tomar um suplemento de vitamina D

"A estratégia mais comum é procurar um multivitamínico que também tenha vitamina D. Regra geral, os multivitamínicos têm doses muito baixas de vitamina D, têm quase sempre aquilo a que se chama de dose diária recomendada, mas esta dose é muito conservadora, baixa, são 200 unidades internacionais e não é suficiente, está comprovado que mesmo quando se faz uma ingestão mínima não se dá resposta às necessidades. Um multivitamínico poderia ser uma opção, mas não nos oferece doses adequadas", diz Inês Veiga.

Para a farmacêutica, o primeiro passo a dar é procurar um médico e pedir análises que permitam perceber os níveis de vitamina D (e outros micronutrientes) que se tem. Depois, há que encontrar, junto do médico e/ou farmacêutico, a dose mais indicada para a necessidade em questão, "não se devendo pecar nem por defeito, nem por excesso, porque há atualmente suplementos alimentares que têm mega doses de vitamina D, na ordem de 10 mil unidades internacionais, doses que são muito elevadas e que poderão fazer sentido numa situação em que a pessoa tem uma deficiência muito elevada, mas durante um período de tempo curto, um mês e depois recorrer a uma dose mais equilibrada. Diria que uma dose equilibrada, em que se consegue um bom compromisso entre um aporte adequado que não seja excessivo, será de 1500 unidades internacionais por dia".

Mas é preciso fazer ainda mais. Ao Lifestyle ao Minuto, Inês Veiga alerta também para a importância de "procurar no rótulo informação relativamente à dose de vitamina D, não tomar uma dose muito baixa ou elevada, procurar qual a forma de vitamina D e aquela que é mais ativa no organismo é a vitamina D3". Caso se trate de uma pessoa que segue um padrão vegetariano ou vegan, então "o que digo muitas vezes é para tomarem uma forma de vitamina D ativa, sem que seja de origem animal como aquela que é extraída da gordura da lã de ovelha, é que podem optar por uma forma sintética. Claro que o ideal será sempre optar uma forma natural, segura, tolerada, bem absorvida pelo organismo".

É também importante verificar a embalagem e perceber sob que forma se apresenta a vitamina D", pois, explica, "há comprimidos, há cápsulas, há granulados... mas tendo em conta que a vitamina D é uma vitamina que depende da gordura para ser absorvida, o ideal é que esta vitamina D se encontre dissolvida numa gordura, mas numa gordura boa, que seja saudável, como o azeite. Uma fórmula ideal é a cápsula mole de vitamina D dissolvida em azeite".

E qual o problema de muitos suplementos granulados, gotas ou pós para dissolver? "É que muitas vezes, para não terem mau sabor, as empresas adicionam aditivos, como edulcorantes, açúcar, aromatizantes para dar um sabor mais agradável. Não há necessidade disso, há cápsulas pequenas bem eficazes", refere.

Para Ana Teresa Macário, a questão de carência de vitamina D é delicada e a melhor forma de travar um possível agravamento da carência deste nutriente passa, sobretudo, pela prevenção e não pela procura de soluções.

"Atuar na prevenção, estar atentos principalmente aos grupos de risco, às pessoas idosas, crianças, grávidas, pessoas que não apanham sol. Já se fala muito sobre o tema hoje em dia, já existe mais informação e as pessoas podem esclarecer-se junto de um profissional de saúde, um médico, um nutricionista, um enfermeiro que saibam esclarecer, mas o quanto antes atuar é muito, muito importante. Quando existe uma osteoporose muito marcada, aí então é muito mais complicado podermos atuar e é muito simples, basta fazer a suplementação com vitamina D, uma cápsula por dia todo o inverno pode fazer toda a diferença anos mais tarde na prevenção da osteoporose", conclui.

domingo, 15 de outubro de 2017

SINTOMAS DE ALZHEIMER

Os sinais de alerta da doença de Alzheimer.

Deve dar-se atenção para a mais comum forma de demência. Como com qualquer doença, é fulcral estar atento aos 10 sinais de alerta da doença de Alzheimer. Os pacotes de açúcar descrevem os 10 sinais de alerta da doença de Alzheimer, tais como:

1. Dificuldade em executar tarefas familiares;
2. Dificuldades e problemas de linguagem;
3. Afastamento do trabalho e da vida social;
4. Alterações de humor e personalidade;
5. Discernimento fraco ou diminuído;
6. Dificuldade em perceber imagens visuais e relações espaciais;
7. Dificuldade em planear ou resolver problemas;
8. Perda de memória;
9. Perda de noção de tempo e desorientação;
10. Trocar o lugar das coisas.

“A doença de Alzheimer, de causa ainda desconhecida, provoca a neurodegeneração e o consequente agravamento, progressivo e irreversível, das funções cerebrais culminando na total perda de autonomia”. A Organização Mundial de Saúde estima que existam 47.5 milhões de pessoas com demência no mundo. Número esse que pode atingir os 75.6 milhões em 2030 e quase triplicar em 2050 para os 135.5 milhões. A doença de Alzheimer representa cerca de 60 a 70% de todos os casos de demência, segundo dados da World Health Organization de 2015.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

ESTRATÉGIAS PARA AS CRIANÇAS COMEREM MELHOR



Três estratégias simples e rápidas para os miúdos comerem melhor

POR DANIELA COSTA TEIXEIRA


;Ser o exemplo é sempre o primeiro passo, mas existem outros três truques bastante eficazes.

Educar uma criança desde cedo a ter uma alimentação saudável é meio caminho andado para prevenir posteriores excessos alimentares e até mesmo casos de fome emocional, em que a pessoa recorre à comida para lidar com determinados sentimentos e situações.

Os pais devem assumir o papel de exemplo a seguir e, para tal, devem acompanhar diariamente os mais novos na luta por uma alimentação saudável, de forma a que as mudanças não só ocorram em toda a família, como também sejam mais facilmente adquiridas pelas crianças.

Mas existem outras estratégias bastante práticas e eficazes. A primeira, diz o site Consumer Reports, passa por fazer as refeições em conjunto sempre que possível. O objetivo é que os miúdos não se sintam isolados ou castigados com a nova refeição. Além do mais, a ciência já provou que as refeições em família têm um impacto tremendo na luta contra a obesidade das crianças.

Depois, há que reduzir ao máximo o açúcar, seja na sua forma mais comum (refinado) ou como ingrediente adicionado. Aqui, os pais devem excluir das compras os alimentos processados e trocá-los por opções mais saudáveis, como o iogurte com granola (desde que seja caseira) ou gelado caseiro feito com fruta. Os sumos e refrigerantes também devem ser substituídos por águas aromatizadas, por exemplo.

Porém, o açúcar não tem de ser totalmente eliminado da alimentação, pelo contrário, deve-se criar o hábito de apenas o consumir em momentos festivos, de modo a que as crianças não sintam falta deste tipo de alimentos noutras ocasiões. Siga estas três dicas para reduzir o açúcar na alimentação das crianças.

A terceira estratégia a pôr em prática tem uma dupla função: contrariar a vontade de comer doces e melhorar os níveis nutricionais da alimentação. Como? Com a inclusão de frutas e vegetais em todas as refeições. Além destes alimentos darem mais cor e sabor ao prato, podem ainda contribuir para um melhor desenvolvimento físico e cognitivo da criança (sim, ter mais energia e melhores notas depende muito daquilo que a criança come). E, claro, os ossos também ficam a ganhar.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

CALDO VERDE EVITA O CANCRO

O caldo verde evita o cancro!
Por Manuel Luciano da Silva, Médico. (Recebido por e.mail em 6/9/2017)



Muita gente sabe que o caldo verde é uma sopa de couve portuguesa. A receita do caldo verde é muito simples: água, sal, batata ralada, couves cortadas às tiras fininhas, azeite português.

De todos os cozinhados tipicamente portugueses o caldo verde é o melhor para a nossa saúde. O caldo verde evita o cancro.?! Evita os ataques do coração por reduzir no sangue o colesterol. Evita as pedras na vesícula e evita as hemorróidas. Se isso é verdade, porque é que levou tanto tempo a descobrir que o caldo verde é tão milagroso?!

Na década de setenta o famoso médico inglês Burkitt chefiou um grupo de médicos da Grã Bretanha que foram para a África Central estudar as diferenças entre as doenças que existem na selva e na zona metropolitana de Londres e descobriram que existe no continente africano um tipo de cancro diferente que é causado por um vírus e este tipo de cancro passou a chamar-se Linfoma não-Hodgkinde Burkitt. E veio esclarecer as diferenças que existem entre a dieta dos nativos africanos e a dieta do povo londrino.

Os médicos ingleses verificaram que os nativos nunca tinham prisão de ventre, não contraiam cancro do recto, não tinham ataques do coração, não sofriam de hemorróidas, nem apendicite aguda! Os médicos britânicos constataram que os nativos africanos defecavam ou obravam, durante 24 horas, um volume, QUATRO VEZES maior do que qualquer cidadão inglês!

Os mesmos médicos prosseguindo com as suas pesquisas concluíram que a diferença de saúde entre o povo inglês e os nativos em África se devia ao facto dos africanos comerem noventa por cento de alimentos ricos em fibras vegetais, que não chegam a ser absorvidos no intestino e saem nas fezes praticamente intactos, aumentando assim volume fecal, evitando portanto a prisão de ventre!

Nos últimos anos, mais de mil especialistas em todo o mundo têm publicado artigos em jornais e revistas médicas sobre as observações da equipa médica do Dr. Burkitt, CONFIRMANDO que os alimentos melhores para a nossa saúde são aqueles que têm mais fibras vegetais não-reabsorvíveis e que nos obrigam a visitar mais vezes a retrete.... Tive oportunidade de ouvir uma conferência sobre este assunto pelo Dr. Burkitt, há vários anos, no Hospital de Roger Williams, em Providence, hode Island, na qual o famoso médico usou esta frase bombástica: "É MAIS IMPORTANTE SABERMOS O VOLUME DIÁRIO DE FESES DE UMA PESSOA DO QUE O VALOR DO SEU AÇÚCAR OU DO SEU COLESTEROL!"

BENEFÍCIOS DO CALDO VERDE

Para apreciarmos as maravilhosas qualidades do caldo verde temos que primeiro analisar o nosso aparelho digestivo. O seu o comprimento, a distância que vai da boca até ao ânus é quase SETE vezes a altura de cada pessoa! Deste modo, se um homem tem de altura um metro e meio, o seu tubo digestivo possui DEZ METROS de comprimento! É igual à mangueira de regar o quintal!...

Assim compreendemos melhor porque é que a Natureza exige que a nossa alimentação contenha 90 por cento de alimentos com fibras vegetais que não sejam reabsorvidas. É preciso que a nossa alimentação contenha substâncias que não desapareçam, que não sejam reabsorvidas, no percurso do tubo.

Analisemos agora, o conteúdo do caldo verde:

COUVES - são a parte mais importante do caldo verde porque são muito ricas em fibras não-reabsorvíveis. São muito ricas em vitamina A e complexo B (tiamina, riboflavina e niacina). Possuem também cálcio, ferro, fósforo, potássio, mas têm poucas calorias.
AZEITE -- O azeite deve ser português porque é muito rico em ácidos não-saturados que fazem baixar o colesterol mau.
BATATA -- serve para amaciar, tornar mais homogéneo o sabor do caldo verde e o seu valor calórico não está fora de ordem.
ÁGUA QUENTE -- A água quente do caldo verde é muito importante, porque faz funcionar muito melhor os sucos digestivos e os fermentos ou enzimas do aparelho digestivo. A água quente faz descontrair os esfíncteres ou válvulas do aparelho digestivo, estimula a contracção normal da vesícula biliar e relaxa o estômago e os intestinos delgado e grosso, tornando a nossa digestão agradável e saudável.
SAL-- Não deve ser exagerado. Só o indispensável!
CHOURIÇO -- Para ser cortado às rodelas e pôr no caldo verde -- deve ser cozido à parte para se deitar fora a água porque contém os produtos cancerígenos do chouriço devido ao processo de ter sido defumado.
BROA -- A broa deve ser à moda portuguesa feita com o farelo e farinha de milho.

Quem comer uma malga de caldo verde todos os dias não tem prisão de ventre! Quem não tem prisão de ventre não tem hemorróidas! Por outro lado, uma pessoa fazendo as suas necessidades diariamente, o fígado é obrigado a produzir mais bílis e a vesícula a expelir mais sais biliares para untar a tripa por dentro para que os alimentos deslizem melhor. Deste modo saindo mais bilis (rica em colesterol) para o exterior através das fezes, dá-se uma baixa de colesterol no sangue, diminuindo os riscos de ataques cardíacos e de pedras da vesícula (compostas por colesterol)!
O caldo verde faz também com que a pessoa emagreça e se torne mais saudável e mais feliz.

CANCRO DO CÓLON

Tem-se verificado uma relação directa entre a prisão de ventre e o cancro do cólon ou do intestino grosso. Porquê? Porque quando há prisão de ventre as fezes ficam paradas no intestino grosso ou cólon e, assim, os produtos tóxicos contidos nas FEZES RETIDAS bombardeiam as células da mucosa intestinal de tal maneira que, com a REPETIÇÃO deste processo, desencadeia-se o princípio do cancro do cólon que é uma doença terrível!
Como contra prova dos estudos que a equipa do Dr. Burkitt observou em África, deram-se aos nativos africanos dietas iguais à que os ingleses e americanos usam com McDonalds, "ice cream" ou sorvetes, pizzas, lasanhas, batatas fritas, etc. Inverteu-se a dieta: em vez de 90 % de dieta com vegetais os nativos africanos passaram a ter uma dieta de só DEZ por cento de vegetais. Resultados: Os nativos começaram a engordar, o colesterol começou a subir, passaram a ter prisão de ventre e a desenvolver hemorróidas como os ingleses e os americanos!
Parece incrível, mas é verdade! No fim do século XX são os povos primitivos a ensinar ao homem civilizado, ao homem dos produtos sintéticos e das pastilhas qual é a alimentação mais saudável! Há mais de 40 anos visitei as Termas de Melgaço no Norte de Portugal. Estas termas são especialmente dedicadas a doentes diabéticos, cardíacos e renais. Observei então que fazia parte do tratamento obrigatório, a todas as refeições diárias, um grande prato de caldo verde.
E todo o doente que quisesse comer fora das três refeições só podia comer mais outro prato de caldo verde! O certo é que todos os doentes melhoravam das suas enfermidades!

Ainda hoje, em Coimbra, quando os estudantes fazem uma farra ou há uma reunião de curso e se come e se bebe exageradamente... depois duma bela guitarrada, à meia noite, serve-se sempre um caldo verde – bem quente -- para "limpar e acalmar as entranhas"... Quando tiver uma festa grande em sua casa faça o mesmo: ofereça aos seus convidados um caldo verde para despedida e para terem boa viajem!...

RECEITA DO CALDO VERDE À MODA DE VALENÇA DO MINHO

Dois litros de água;
4 colheres de sopa de azeite português;
500 gramas de batatas;
1 ou 2 couves galegas conforme o tamanho;
sal;
1 chouriço (cozido à parte);
broa.

TÉCNICA:

Deita-se a água numa panela com o azeite e as batatas descascadas cortadas em 4 pedaços. Põe-se sal quanto baste e deixa-se ferver. Quando as batatas estiverem cozidas, tiram-se e passam-se por um passador. Voltam à panela para apurar. Entretanto cortam-se as couves em tiras o mais fino possível. Lavam-se e deitam-se na panela QUINZE minutos antes da sopa ser servida, deixando a panela ferver DESTAPADA. Serve-se o caldo verde em tigelas de barro, com uma rodela de chouriço e um bocadinho de broa.
Como já se encontram à venda na Nova Inglaterra as deliciosas sardinhas portuguesas congeladas, pode ser que algum dia algum comerciante se lembre de fazer coisa semelhante e nos mande as couves galegas já cortadas às tirinhas em caixinhas congeladas, prontas a meter na panela, para saborearmos, mesmo durante o Inverno severo na América, o nosso genuíno caldo verde!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

DEVEMOS TER MAIS CUIDADO COM A ALIMENTAÇÃO

"Estamos a morrer de doenças que se relacionam com a alimentação" 170814. Por Daniela Costa Teixeira

Detentor daquilo a que a ciência chama de alimentação de excelência, Portugal parece estar de costas voltadas para a dieta mediterrânica. Qual o impacto disso? Mais peso e menos saúde. Falamos com Alexandra Bento, Bastonária da Ordem dos Nutricionistas, sobre o verdadeiro impacto da alimentação na saúde.



Global Imagens

Jovens com peso a mais, idosos com nutrientes a menos. Portugal assume-se como um país bipolar a nível nutricional e não faltam culpados para isso.

Da falta de formação, à má informação, passando pela escassez de acesso até ao comodismo a uma cultura sedentária que se alastra de dia para dia, são muitos os fatores que interferem com a saúde dos portugueses. E em todos eles há um denominador comum: a alimentação.

Por favor, LEIA MAIS, Cliqu AQUI.

sábado, 5 de agosto de 2017

EVITE ADORMECER AO VOLANTE


Não adormeça ao volante. Conheça os sintomas e formas de os prevenir

Transcrição de texto de: POR INÊS ANDRÉ DE FIGUEIREDO

Muitos acidentes rodoviários ocorrem pela sonolência dos condutores e a campanha 'Não conduza de Olhos Fechados' quer travar essa tendência.

A sonolência ao volante continua a estar na origem de 20% dos acidentes de viação, o que levou a Sociedade Portuguesa de Pneumologia, através da Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono, a Linde, a GNR e a Prevenção Rodoviária a lançar uma campanha que alerta para a causa.

“Em época de verão, de viagens mais longas rumo às férias e de regresso de tantos emigrantes ao nosso país, consideramos fundamental recordar a importância de um sono reparador antes de viajar”, explica Susana Sousa, representante da Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono da Sociedade Portuguesa de Pneumologia, em comunicado.

Deste modo, a campanha ‘Não conduza de Olhos Fechados’ pretende “alertar para os sinais de sonolência ao volante e reforçar o ensino de medidas de boa higiene do sono para uma viagem sem percalços”.

“Tão importante como alertar para o perigo da condução sob efeito do álcool, de não cumprir as velocidades recomendadas ou de usar o telemóvel durante a condução, é [relevante] chamar a atenção para o perigo da sonolência ao volante”, esclarece a Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono.

Para travar os acidentes de viação que têm como principal causa a sonolência é importante conhecer alguns dos principais sinais da presença de sono quando se está ao volante. Bocejos frequentes, dificuldade de concentração, dificuldade em focar e manter os olhos abertos, estar com a sensação de sonhar acordado, reagir com mais lentidão e ter os pensamentos desconexos e dificuldade em memorizar acontecimentos imediatamente anteriores são alguns dos principais factores de alerta.

Assim, e com o intuito de proteger a vida, quando se conduz é aconselhado que se durma 7-9 horas, que não se pegue num carro quando há sinais de sonolência e que se planeie a viagem com antecedência, considerando a partilha do volante em trajetos longos. Caso sinta algum dos sintomas acima referidos, deverá “parar o carro e dormir uma sesta de 15-20 minutos” para recuperar energias. Recorde-se que um estudo recente feito na Europa e que contou com quase 13 mil cidadãos, 1.093 dos quais portugueses, “concluiu que 23% dos participantes já tinham adormecido ao volante pelo menos uma vez nos últimos dois anos e 8% referiram ter tido um risco de acidente de viação como consequência de terem adormecido”.

NOTA:

Tenha uma CONDUÇÃO SEGURA nas viagens das férias. Não coloque em risco a sua vida e a dos familiares e amigos. Vale mais prevenir do que remediar.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

ARTRITE REUMATÓIDE. SAIBA MAIS

ARTRITE REUMATOIDE – SINTOMAS, CAUSAS E TRATAMENTO
Por Dr. Pedro Pinheiro
30 de Abril de 2017

A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica, que acomete mais as mulheres adultas e pode atacar vários órgãos e tecidos do corpo, mas apresenta uma clara preferência pelas articulações, principalmente as dos membros superior e inferior. Neste artigo vamos explicar o que é a artrite reumatoide, quais são os seus sintomas e quais são os tratamentos mais efetivos para o controle da doença.

(Para ler mais, faça clique aqui)

SABER MAIS SOBRE A DEPRESSÃO

"Depressão só com calmantes é como tentar curar pneumonia com aspirina"

Texto de ANABELA DE SOUSA DANTAS em 170731

Pais Álvaro de Carvalho, diretor do Programa Nacional para a Saúde Mental da Direção-Geral da Saúde (DGS), é o entrevistado de hoje do Vozes ao Minuto.


© GlobalImagens Foto de ÁLVARO DE CARVALHO

Recentemente, o tema da depressão e da Saúde Mental voltou a surgir nas notícias de forma dramática após a morte de Chester Bennington, um dos vocalistas dos Linkin Park. O suicídio do artista trouxe ao espaço mediático a ameaça silenciosa da depressão e do efeito paralisante que pode ter na vida profissional e social de uma pessoa. Mesmo que não seja claro.

Álvaro de Carvalho, diretor do Programa Nacional para a Saúde Mental da Direção-Geral da Saúde (DGS), falou com o Notícias ao Minuto sobre a Saúde Mental em Portugal. Sobre a falta de informação que ainda existe, “sobretudo nas faculdades de Medicina, entre as gerações mais velhas de médicos”, e do urgente que se torna a devida articulação entre equipas especializadas em Saúde Mental e cuidados de saúde primários, principalmente nas zonas mais isoladas.

O também coordenador do Plano Nacional de Prevenção de Suicídio (2013 – 2017) sublinha, no entanto, que estão a ser dados passos importantes nesta área. Destacou, por exemplo, o protocolo com o Ministério da Administração Interna (MAI) com relação aos casos de suicídio nas forças de segurança.

A depressão e o suicídio voltaram estes dias às notícias na sequência da morte de Chester Bennington, um artista norte-americano. Acha que a sensibilidade em torno deste tema contribui para a estigmatização da doença?

O problema é que não contribui só para a estigmatização, contribui para o risco de imitação, ou seja, do efeito Werther. Por isso é que há normas da Organização Mundial de Saúde (OMS) que estão traduzidas para português pela Sociedade Portuguesa de Suicidologia que recomendam à Comunicação Social, não que trate com modo de censura, mas sim com pinças este tipo de notícias, quando se trata de figuras públicas.

(Para ler mais clique aqui)

BEBIDA MODERADA REDUZ RISCO DE DIABETES

Risco de diabetes é menor com bebida moderada
Texto de Filomena Neves em 20170801


JOSÉ MOTA / GLOBAL IMAGENS

Investigadores da Dinamarca avaliaram os hábitos de consumo de álcool de mais de 70 mil pessoas.

Consumido com moderação, o álcool, e sobretudo o vinho tinto, tem mais benefícios do que inconvenientes - desde que não exista nenhum problema de saúde. É isso que confirmam os resultados de um estudo realizado por investigadores do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Sul da Dinamarca e agora publicado na revista científica Diabetologia.

De acordo com os principais dados do estudo, que foi liderado por Janne Tolstrup, ingerir três a quatro bebidas alcoólicas por semana (uma em cada dia) tem um efeito protetor significativo em relação à diabetes, diminuindo esse risco daquela doença em 27% nas mulheres e em 32% nos homens. Mas o dado mais curioso, quase surpreendente, é este: quem tem estca rotina de bebida, de três a quatro bebidas por semana, distribuídas pelo mesmo número de dias, está mais protegido em relação à diabetes do que quem não bebe de todo, ou bebe apenas esporadicamente.

O estudo confirma também, em linha com resultados de investigações anteriores, que há benefícios claros na ingestão moderada de vinho tinto: sete copos, ou pouco mais por semana. O efeito protetor da diabetes, nestes casos, chega aos 25% a 30% de menor risco de contrair a doença para todos.

No caso do vinho tinto, os cientistas pensam que este efeito protector estará relacionado com umas substâncias chamadas polifenóis, que existem no vinho, e que interferem com a presença de açúcar no sangue, com esta bebida a ganhar ao branco neste efeito protector. Na comparação que foi feita, as pessoas, tanto homens como mulheres, que bebiam os tais sete copos, ou pouco mais, de vinho tinto por semana, mostravam ter menos risco de diabetes do que as que bebiam um copo, ou nenhum, no mesmo período.

O estudo teve por base os dados da avaliação de saúde realizada na Dinamarca para 2007 e 2008, em que cidadãos com mais de 18 anos responderam a um questionário sobre estilos de vida e saúde. Os que já tinham diabetes foram excluídos do estudo, bem como as grávidas ou as mulheres que tinham tido filhos há pouco tempo. No final, o estudo abrangeu um total de 70 551 pessoas, a quem foram pedidos detalhes sobre o seu consumo de álcool, e que depois foram seguidas durante mais quatro anos e nove meses.

Os investigadores queriam, justamente, discriminar os consumos de álcool: de uma ou menos bebidas por semana, uma a duas (em dias diferentes), três a quatro, distribuídas diariamente, ou cinco a sete, também enquanto consumo diário. O binge drinking, definido como cinco ou mais bebidas consumidas numa única ocasião, também foi discriminado, mas no inquérito quase não houve respostas reportando hábitos deste tipo. Além da frequência do consumo, a equipa de Janne Tolstrup também identificou os diferentes tipos de bebidas - cerveja, vinho e bebidas espirituosas - para poder avaliar os respectivos impactos em relação à diabetes. Um dos outros dados relevantes do estudo mostra que, nas mulheres, o consumo de sete ou mais bebidas espirituosas por semana está associado a um maior risco, da ordem dos 83%, de ter diabetes, em comparação com as que bebem apenas uma destas bebidas semanalmente.

sábado, 29 de julho de 2017

DORES EM ARTICULAÇÕES E COLUNA

EU GOSTARIA DE CONTAR SOBRE O MÉTODO MAIS EFICAZ DE TRATAMENTO DE DOENÇAS CONJUNTAS COM BASE EM ENSINAMENTOS ANCIENTES E PRÁTICAS DE CURADORES CHINESES
Professor Leo Chang

O decano da faculdade farmacêutica da Universidade de Medicina de Pequim tem 45 anos de experiência em tratamento com os meios da medicina tradicional.
Prática médica: mais de 45 anos.
"A verdade é simples, e não ouva ninguém: é sempre possível tratar as articulações, mesmo em idade aposentadoria."

Este médico afirma que ele vai curar uma osteocondrose de 18 anos de idade em um par de meses. Ele também afirma que vai curar completamente uma senhora "velhosa" que sofre da artrite avançado 78 dias. E as dores articulares desaparecerem em 4 dias! Nos últimos 45 anos ele vem provando cada declaração com soluções práticas. Logo após o online na África TV (tema de discussão "Mantendo as articulações saudáveis em qualquer idade"), o renomado Professor Leo Chang aceitou dar uma entrevista.

— Boa tarde, professor Chang. Diga-me, por favor, é verdade que as doenças comuns e osteochondrosis são os atributos inalienáveis da vida adulta e maturidade?

— Boa tarde, Laura! Com certeza, essa afirmação não é verdadeira. Confiança excessiva em médicos que têm tratado seus pacientes por 10 anos e ainda esta na procura do tratamento, - que é o atributo inalienável da idade adulta e velhice. Na verdade, as articulações, a coluna vertebral e chondrose são facilmente tratadas em qualquer idade. Isso não é um milagre, apenas ciência regular.

Conhecer o segredo e aplicar um pouco de disciplina pode rapidamente curar mesmo em casa. Milhares de meus pacientes têm feito ja a muitos anos

— Então, qual é o seu segredo?

— O segredo é entender a origem de sua dor. Em geral, enciclopédias mostra até 147 possíveis causas de osteocondrose e artrose, mas o resultado é o mesmo - as articulações, as vértebras e a cartilagem perde sua elasticidade, daí você tem a dor. Eles se desgastam devido ao fornecimento de sangue deficiente. Aqui está o segredo - retomar o fornecimento de sangue para as articulações vai curá-los!

- Bem, sim, mas acho que é quase impossível retomar o fornecimento de sangue depois de 45 anos!

— Absurdo! Puxei-me para fora de uma cadeira de rodas após do acidente, e isso era mais assustador do que a idade de 45.

— Você ajudou alguém a sair da cadeira de rodas e levantar-se de novo?

— Sim, mais de uma vez. Agora, a maioria dos meus pacientes são africanos comuns com mais de 40 anos, cujas doenças se desenvolveram com a idade. Eles vêm a mim com problemas muito semelhantes: osteocondrose, artrose, artrite, ciática, nervos comprimidos, etc. Tais doenças são exaustivas e interferem na vida cotidiana

Meus pacientes estão com dor, eles choram porque é difícil para eles andar. E, claro, essas são pessoas comuns - nao so atletas ou pessoas com deficiências. Eles reclamam: "Eu não fiz nada para merecer isso, por que eu?". E eu digo: vamos parar de gemer com lágrimas e começar a trabalhar na recuperação do suprimento de sangue.

— Como é possível recuperar o suprimento de sangue a essa idade?

— Há dois anos, na Europa, tratei pessoas com a ajuda de movimentos e uma complexa rotina de 96 exercícios em equipamentos de treinamento especial. Este é um método extremamente eficaz, mas muito difícil e de longo prazo para a África - as pessoas estão com dor, é difícil para eles funcionar, eles não têm tempo nem dinheiro para visitar ginásios.

— É possível curar as articulações doloridas pressionando certos pontos no corpo humano?

— É possível aliviar a dor, mas as articulações sao doloridas e não tratadas. As pessoas muitas vezes me dirigem com essas questões. Lembre-se, todos os procedimentos devem ser realizados por profissionais. Como é sabido, não existe tal coisa como muitos bons médicos. Verdadeiros profissionais podem ser contados nos dedos de uma mão. A maioria deles vive na China. E você não pode ir para a China para cada exacerbação. Não precisa ficar chateado. Há uma solução. Eu acreditava que deveria haver uma maneira mais fácil e mais atualizada - e eu encontrei.

— Você pode nos dizer?

— Eu vou. Nosso centro foi a primeira instituição no mundo a ter acesso certificado para o medicamento mais avançado para osteocondrose e dor articular, desenvolvido com base no conhecimento antigo e práticas da medicina tradicional chinesa. Tenho de admitir, quando eu ouvi falar dela pela primeira vez eu pensei que era uma piada, eu simplesmente não podia acreditar que era eficaz. Mas fiquei espantado quando terminamos o teste - 4.567 pacientes foram completamente curados de suas doenças, ou seja, mais de 94% de todos os voluntários. 5,6% sentiram melhora significativa, e apenas 0,4% não apresentaram melhora.

— Que tipo de droga é essa?

— Estou falando de um creme especial vendido sob a marca de Osteoren. O produto torna possível esquecer sobre dor nas costas e articulares dentro de 10 dias, e tratar os casos médicos complicados dentro de um par de meses.

— Como funciona este creme milagroso?

— Não há nenhum milagre aqui, ciência pura. Osteoren é fabricado seguindo uma antiga receita chinesa mantendo todas as propriedades curativas e medicinais. A receita foi transmitida através das gerações e é mantida em segredo.

— Parece impressionante. Diga-nos, o que isso significa para as pessoas comuns que sofrem das doenças?

— Isto significa que qualquer residente do continente africano será capaz de curar juntas em casa em um mês ou dois. Osteoren creme não congela ou anestesia áreas dolorosas, ele "reinicia" o nível celular. Ele elimina a causa da dor e retorna as articulações e a coluna vertebral para sua condição inicial. O paciente remove a raiz da doença - fraco suprimento sanguíneo de tecidos cartilaginosos enfraquecidos por células lentas e velhas.

Nos primeiros dias, Osteoren inicia a regeneração em sistemas do corpo humano. Bem, ele detém a síndrome da dor, você vai sentir isso imediatamente. Em duas ou três semanas, o tratamento será concluído e é muito importante evitar o retorno da dor repetindo prontamente o curso.

— O creme Osteoren ajuda apenas com artrose e osteocondrose?

Não, como eu ja disse: ele age no nível celular, restaurando o suprimento de sangue. Trata qualquer doença associada com articulações e coluna - artrose e artrite, ciática, reumatismo, radiculite e osteocondrose, deslocamento de discos vertebrais, etc Dislocações, contusões, fraturas, até mesmo claves - o creme é surpreendentemente eficaz.

— Este é um produto muito interessante. Será que realmente ajuda a se livra de todas essas doenças, e não apenas resolver a dor?

Creme Osteorene resolve a dor nos estágios iniciais do tratamento, e elimina completamente a doença articular em todo o curso. Não me interpretem mal - eu adoro treino físico e esportes, e vou exercer o máximo que puder, mas para a maioria dos pacientes este creme é a modalidade de tratamento mais fácil, mais eficaz e acessível.

— Eu acredito, muitos leitores vão perguntar: onde podemos comprar o creme?

Queríamos começar grandes vendas em farmácias - mas ainda não conseguimos chegar a um acordo com os farmacêuticos portuguesos, porque a Osteoren pode prejudicar seus negócios. As pessoas compram seus medicamentos por anos, mas o número de pacientes está aumentando constantemente, e tal situação se adapte a todos. Portanto, atualmente vendemos creme Osteoren exclusivamente no website oficial.Tal arranjo tem suas vantagens - nós vendemos sem intermediários, o que torna possível para nós manter um preço baixo.

— Obrigado pela entrevista, Professor Chang! Gostaria de dizer algo aos nossos leitores antes de nos despedirmos?

Sim, claro. Gostaria de chamar a atenção dos leitores para o fato de que as doenças das costas e articulações estão "ficando mais jovens", e até mesmo dores periódicas suaves são a razão para prestar atenção ao problema. Nenhum médico tentará persuadi-lo a submeter-se a um tratamento.

E lembre-se: os distúrbios e doenças causadas pela dor nas costas e articulares não são apenas associados com desconforto e inconvenientes, eles encurtam sua vida por 10-15 anos.

Entrevista de: Carla Marques

quarta-feira, 19 de julho de 2017

CAUSAS QUE POTENCIAM O ALZHEIMER



Ciência aponta 27 eventos da vida que podem ajudar a provocar Alzheimer
1707189. POR VÂNIA MARINHO

Um grupo de cientistas identificou 27 eventos da vida que são tão stressantes que podem danificar o cérebro, fazendo com que este possa envelhecer prematuramente.

Um evento stressante, como perder um ente querido, passar por um processo de divórcio ou ser despedido pode envelhecer o cérebro em pelo menos quatro anos, segundo revela um estudo apresentado esta semana na Alzheimer’s Association International Conference, em Londres. De acordo com uma equipa de investigadores da Escola de Medicina e Saúde Pública da Universidade de Wisconsin, há 27 eventos stressantes que podem provocar danos permanente no cérebro e que potencialmente podem estar ligados ao desenvolvimento de Alzheimer e de outras doenças ligadas ao envelhecimento precoce do cérebro. São eles:

Na infância e/ou na adolescência: repetir o ano na escola; ser mandado para longe de casa; pais que não encontram trabalho; pais alcoólicos; pais toxicodependentes; desistir da escola-, ser expulso ou suspenso da escola.

Em qualquer momento da vida: desistir da universidade; ser despedido; desemprego de longo prazo; morte de um dos pais; divórcio dos pais; ter um parceiro infiel; problemas com os sogros; morte de um irmão; morte de um filho; o filho ter um acidente grave; perder a casa em situação de incêndio ou inundação; ser atacado fisicamente; agressão sexual; dificuldades sérias com a lei; sentença de prisão; declarar bancarrota; perda financeira ou de propriedade; ter apoios sociais; juntar-se ao exército; ter experiências em combate.

Para este estudo, como reporta o Daily Mail, os investigadores analisaram informação de 1320 pessoas com uma idade média de 58 anos, que providenciaram informação sobre os eventos stressantes que viveram e realizaram testes de cognição e memória.

terça-feira, 18 de julho de 2017

PROTECÇÃO CONTRA O ALZHEIMER

Estudo revela a tríade que nos pode proteger contra Alzheimer
170626. POR VÂNIA MARINHO, LIFESTYLE SAÚDE

Se quer tomar já medidas para manter o seu cérebro saudável durante o envelhecimento, este artigo é para si.

Apesar de não haver formas comprovadas de prevenir o declínio mental ou a doença de Alzheimer, um novo estudo diz que há uma tríade que pode ser uma boa arma de defesa: exercício físico, tensão arterial controlada e exercícios mentais.

O relatório das National Academies of Sciences, Engineering and Medicine (organização norte-americana) destaca que apesar de não existirem provas concretas da sua eficácia, os indícios são ‘encorajadores’ e os especialistas esperam que estas mudanças no estilo de vida possam levar a um método mais definitivo de evitar os problemas cerebrais associados ao envelhecimento.

Como reporta o Daily Mail, apesar de os benefícios destas práticas para a prevenção da doença de Alzheimer serem inconclusivos, os especialistas destacam que “não fazem mal” e são benéficas para a saúde geral – não custa tentar, não é verdade?

Apesar de não haver formas comprovadas de prevenir o declínio mental ou a doença de Alzheimer, um novo estudo diz que há uma tríade que pode ser uma boa arma de defesa: exercício físico, tensão arterial controlada e exercícios mentais.

O relatório das National Academies of Sciences, Engineering and Medicine (organização norte-americana) destaca que apesar de não existirem provas concretas da sua eficácia, os indícios são ‘encorajadores’ e os especialistas esperam que estas mudanças no estilo de vida possam levar a um método mais definitivo de evitar os problemas cerebrais associados ao envelhecimento.

Como reporta o Daily Mail, apesar de os benefícios destas práticas para a prevenção da doença de Alzheimer serem inconclusivos, os especialistas destacam que “não fazem mal” e são benéficas para a saúde geral – não custa tentar, não é verdade?

DETECÇÃO PRECOCE DO CANCRO

Novo dispositivo deteta precocemente metástases em doentes com cancro

Dispositivo está a ser desenvolvido por investigadoras de Braga e do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto 

Um dispositivo descartável que permite detetar precocemente metástases em doentes com cancro está a ser desenvolvido por investigadoras de Braga com o apoio do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto.

Este dispositivo possibilita o isolamento e a análise automática das células tumorais circundantes, que têm a capacidade de se soltarem do tumor inicial, entrar na circulação sanguínea (por exemplo) e, posteriormente, fixarem-se noutro local, disseram à Lusa as investigadoras Lorena Diéguez e Silvina Samy, do Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL), de Braga.

A doença metastática "é diretamente responsável pela maior parte da mortalidade relacionada com cancro em todo o mundo", indicaram as especialistas, acrescentando que o estudo das células tumorais circundantes permite aos médicos a monitorização contínua e em tempo real da sua progressão.

De acordo com as investigadoras, o dispositivo desenvolvido no projeto RUBYnanomed pode levar a um prognóstico mais preciso e a um tratamento personalizado, contribuindo para um melhor equilíbrio entre o custo, a eficiência e a sustentabilidade do sistema de saúde.

Existem outras duas soluções semelhantes a esta no contexto da prática clínica, uma que analisa as células tumorais circundantes (CellSearch CTC Test) e outra para análise de ADN tumoral libertado pelas células (COBAS).

Para as especialistas, a solução proposta pelo RUBYnanomed possibilita uma deteção mais rápida, com maior sensibilidade e especificidade, do mesmo tipo de células e de outros tipos celulares, associados a formas mais agressivas de cancro.

Até ao momento já foi realizado um estudo pré-clínico com doentes com cancro colorretal metastático, estando a decorrer um segundo, com pacientes diagnosticados com cancro de bexiga metastático.

Da equipa do RUBYnanomed fazem ainda parte mais quatro profissionais, com experiência e conhecimento em diferentes áreas. Este projeto é apoiado pelo RESOLVE, um programa do i3S que auxilia a transferência de conhecimento científico e tecnológico de iniciativas inovadoras, em estágio inicial, com potencial de se traduzir em soluções para o benefício do doente e dos profissionais de saúde.

TENHA CUIDADO COM O INTESTINO

O intestino pode ser uma das chaves para o envelhecimento saudável
170717. POR VÂNIA MARINHO,LIFESTYLE ESTUDO

Estudo realizado com centenários revela que o intestino pode ter um impacto na saúde e na longevidade. O Lifestyle ao Minuto falou com um dos autores, que é português.

Estudo verificou que os centenários (entre os 100 e os 104 anos e isentos de doenças e da toma de fármacos) tinham a barreira intestinal menos comprometida do que as pessoas com menos de 40 anos e que tinham sofrido um enfarte do miocárdio.

No estudo, que envolveu cientistas de Espanha, Itália, Suécia e Portugal, estudou-se a possível associação entre dois marcadores de permeabilidade intestinal - a endotoxemia e a zonulina - e o envelhecimento saudável.

A permeabilidade intestinal, como o Dr. Pedro Carrera Bastos, investigador português envolvido neste estudo, explicou ao Lifestyle ao Minuto, “ocorre quando a barreira intestinal está frágil e há a probabilidade de ocorrer a passagem de determinadas substâncias para o sangue”.

Isto pode ser especialmente prejudicial, pois “algumas dessas substâncias podem ativar o sistema imunitário e a partir daí desencadear uma resposta inflamatória. A inflamação, quando se converte em crónica, pode levar a muitas alterações, nomeadamente à diabetes, à doença cardiovascular, hipertensão, perda de massa muscular e óssea. Hoje sabe-se que a inflamação está na base de muitas doenças." 

O especialista destaca que o facto de terem verificado que os centenários tinham uma menor permeabilidade intestinal “vem mostrar a importância de manter uma barreira intestinal íntegra ao longo do tempo”.

 “Sabe-se que uma dieta inadequada, o consumo excessivo de álcool, a desidratação, o uso abusivo de anti-inflamatórios, entre outros fatores, comprometem essa barreira intestinal”, refere Pedro Bastos, investigador português, atualmente em doutoramento na Universidade de Lund, Suécia.

 Este estudo verificou que os centenários analisados tinham níveis mais baixos de zonulina em comparação com os jovens que tiveram um enfarte do miocário. A zonulina é uma das principais proteínas envolvidas na manutenção da integridade da barreira intestinal, pelo que níveis elevados desta proteína no sangue constituem um marcador de permeabilidade intestinal. “O que sugere que manter uma barreira intestinal íntegra pode ser um dos segredos da longevidade”, diz Pedro Bastos.

Um segundo marcador analisado neste estudo foi a endotoxemia – que resulta da absorção para a circulação de um composto (endotoxina) existente em bactérias que habitam, por exemplo, o intestino – cujo principal fator de risco é a permeabilidade intestinal aumentada e o principal efeito é o aumento da probabilidade de inflamação crónica.

Nesta investigação, os níveis séricos de endotoxina eram menores em centenários do que em jovens que já tinham experienciado um enfarte e inclusive em jovens saudáveis sem doenças aparentes.

“É importante distinguir envelhecimento de envelhecimento saudável e este estudo traz pistas sobre qual será o possível caminho de longevidade com saúde. Esta investigação carece, porém, de confirmação por outros estudos”, refere o investigador Pedro Bastos.

No entanto, destaca que as conclusões deste estudo abrem portas para que se faça um estudo mais exaustivo sobre a ligação entre a barreira intestinal saudável e a super longevidade com saúde.

Para este estudo, publicado na revista científica Aging & Disease, foram analisadas amostras retiradas de 79 centenários (entre os 100 e os 104 anos) – 39 homens e 40 mulheres – que não tinham nenhuma doença aparente para além de uma pequena perda de visão e audição, típica da idade. As primeiras foram comparadas com 178 pessoas com menos de 40 anos que tinham tido um enfarte – em que 70% fumava, 35% tinha hipertensão, 21% era obeso - e com 178 pessoas com menos de 40 anos que eram saudáveis – 25% eram fumadores moderados.

terça-feira, 4 de julho de 2017

EVITAR COMER CACHORROS-QUENTES FORA DE CASA

8 razões para nunca comer cachorros-quentes fora de casa



Quando lhe dá a fome depois de sair da discoteca de madrugada, durante um festival de verão ou nas festas da terrinha, as roulottes de compra e venda de comida rápida são, provavelmente, uma das suas opções para aconchegar o estômago. Comer um cachorro-quente, bifana ou hambúrguer nunca é uma escolha saudável mas, segundo o site Delish – vocacionado para questões alimentares -, o cachorro-quente é mesmo a pior das três opções.

Veja, a seguir, oito razões para não voltar a comer cachorros-quentes fora de casa.

1. Falta de higiene de muitas das 'roulottes' onde se vende este tipo de comida. Antes de comprar alguma refeição nestes locais avalie o seu aspeto e peça sempre para fazerem a comida à sua frente. Nos EUA, é muito frequente comer-se cachorros quentes em 'roulottes' que se encontram espalhadas pelas grandes cidades. No ano passado, a revista 'Time' pediu ao Departamento de Agricultura dos EUA registos dos objetos mais estranhos que os consumidores costumam encontrar nos seus cachorros-quentes. Entre eles estavam cabelos, pedaços de vidro ou metal e ossos.

2. Têm uma enorme quantidade de sal.

3. Uma dieta rica em alimentos processados como este contribui para aumentar o risco de vir a sofrer de doenças cardiovasculares e cancro.

4. A maioria das salsichas utilizadas nos cachorros-quentes são baratas e, por isso, de baixa qualidade, o que faz delas menos saudáveis.

5. Afeta a libido. A mistura das salsichas com o pão e os molhos faz com que os cachorros-quentes sejam um alimento que prejudica também o seu desempenho sexual. Neste campo, este tipo de alimentação contribui para entupir as artérias vaginais e torna o ato sexual desagradável.

6. Contêm nitrato de sódio. Este conservante está presente em carnes processadas, como é o caso das salsichas, e é bastante associado ao aumento de cancro no pâncreas.

7. Comer um cachorro-quente por dia aumenta em 20% o risco de desenvolver cancro do colo-rectal. A conclusão é do American Institute of Cancer Research que em 2015 alertou para o facto de se tratarem de alimentos menos recomendáveis.

8. Aumentam o risco de asfixia nas crianças. Nos EUA, 17% da população com menos de 10 anos engasgam-se com comida e é frequente acontecer quando comem salsichas.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

DEVE DEITAR-SE SEMPRE À MESMA HORA

Sabe por que se deve deitar sempre à mesma hora?

Estudo aponta que pessoas que o fazem são mais bem-sucedidas.

Ir para a cama sempre à mesma hora, todos os dias, pode ser difícil. No entanto, não ter um padrão de sono pode afetá-lo mais do que imagina.

Um estudo realizado por cientistas do Brigham and Women’s Hospital concluiu que, ter uma hora certa para dormir todas as noites, é tão importante quanto as horas de sono que dorme, pois aqueles que têm um padrão de sono são mais bem-sucedidos.

Os investigadores mediram o sono e ritmos cardíacos de 61 estudantes de Harvard, durante 30 dias, comparando os resultados da observação com o desempenho escolar, descobrindo que os alunos que tinham um padrão de sono irregular tinham uma média inferior em relação aos que iam dormir sempre à mesma hora.

Para além disso, aqueles que se deitavam sempre à mesma hora estavam mais propensos a levantarem-se de manhã, em vez de adormecerem, e conseguiam adormecer mais rápido à noite.

Por outro lado, aqueles sem rotina para irem dormir, não conseguiam adormecer tão depressa porque tinham baixas produções de melatonina (hormona que provoca o sono e vontade de dormir).

ALIMENTOS A EVITAR ANTES DE DORMIR

Nunca deve comer estes alimentos antes de dormir

Devemos cuidar da nossa alimentação ao longo de todo o dia, mas à noite, quando o corpo se prepara para descansar, é preciso ter cuidados redobrados. Além de poderem contribuir para que aumente de peso, certos alimentos dificultam o descanso e obrigam a várias idas à casa de banho. Veja oito alimentos que, segundo a nutricionista Lillian Barros, não devemos mesmo comer antes de ir para a cama.

1.Bebidas cafeinadas: alimentos estimulantes como café, chá preto ou verde podem deixar-nos agitados, dificultando a fase de descanso deixar-nos agitados, dificultando o repouso.
2. Álcool: o consumo de álcool está relacionado com insónias, resultando frequentemente num sono superficial, com despertares ocasionais e diminuição da sua qualidade.
3. Refrigerantes: normalmente ricos em açúcar e/ou cafeína, acabam por ter um efeito estimulante, perturbando o relaxamento.
4. Açúcar: o consumo de açúcar está relacionado com um efeito energizante, com uma rápida subida de glicemia e com uma resposta estimulante do ponto de vista metabólico.
5. Doces e chocolates: estes alimentos ricos em açúcares e cafeína (no caso do chocolate) acabam por perturbar a qualidade do sono por resposta aos seus constituintes.
6. Alimentos fritos e ricos em gordura: são normalmente alimentos de difícil digestão que podem afectar a qualidade do sono.
7. Excesso de líquidos: água em demasia tem um efeito diurético obrigando a acordar durante a noite para várias idas à casa de banho.
8.Picante: o picante e a pimenta apresentam um efeito estimulante, alterando a capacidade do corpo de entrar no repouso necessário para uma noite bem dormida.

ALIMENTOS ACONSELHÁVEIS ANTES DE DORMIR

Os 5 alimentos que deve comer antes de dormir

O que comer durante a noite pode influenciar a qualidade do sono e todo o rendimento que irá ter no dia seguinte. Se quer estar bem-disposta e não engordar, o melhor é jantar cedo, pelo menos três horas antes de ir para a cama, e optar por uma refeição ligeira com um destes alimentos (mas mesmo só um!).

1. Queijo quarkque
2. Iogurte
3. Um copo de leite
4. Três nozes, no máximo
5. Gelatina

“Uma alimentação pesada pode prejudicar o sono. Pessoas que jantam tardíssimo e comem uma feijoada, um bitoque cheio de batatas, molho e arroz ou uma pizza enorme provavelmente não se vão sentir bem durante a noite. Vão inchar imenso por causa do pão e acabam por ter uma noite desagradável. Como dormem mal, no dia seguinte fazem escolhas piores.
Há hormonas que se formam durante a noite que ajudam a controlar o apetite, uma delas é a leptina, e se a pessoa não dormir bem não vai formar esta hormona”, explica ao Delas.pt a nutricionista Ágata Roquette. Caso não esteja satisfeita antes de dormir, não tem de passar fome. Pode comer um dos alimentos que a especialista indica acima.
“Deixo os meus pacientes fazerem uma ceia, desde que não seja rica em hidratos de carbono. Acaba por ser um iogurte, copo de leite e talvez umas três nozes, se a pessoa tiver muita vontade de trincar. Confirmo que elas perdem peso na mesma”, afirma a nutricionista.

quarta-feira, 7 de junho de 2017

MANTER A JUVENTUDE


Lições sempre novas de velhos generais

Ser Jovem

A juventude não é um período da vida; é um estado de alma, um efeito da vontade, uma qualidade da imaginação, uma intensidade emotiva, uma vitória da coragem sobre a timidez, do gosto da aventura sobre o amor do conforto.
Não é velho aquele que viveu um certo número de anos, mas é velho aquele que desertou do Ideal.
Os anos enrugam a pele, mas o renunciar ao Ideal enruga a alma. As preocupações, as dúvidas, os temores e os desesperos são os inimigos que, lentamente, nos fazem inclinar para a terra e tornar-nos poeira, antes da morte.
Jovem é aquele que se admira e se maravilha. Interroga como a criança insaciável: e depois ? Desafia os acontecimentos e acha alegria no jogo da vida.
Tu és tão novo como a tua Fé. Tão velho como as tuas dúvidas.Tão novo como a tua confiança em ti próprio. Tão novo como a tua Esperança, Tão velho como o teu desânimo.
Serás jovem enquanto sentires. Sentires ó que é Belo, Bom e Grande. Sentires as mensagens da natureza do homem e do infinito.
Se, um dia, o teu coração for mordido pelo pessimismo e roído pelo cinismo, Deus tenha, então, piedade da tua alma de velho.
General Mac-Arthur (1945)

APENAS DUAS REFEIÇÕES, PARA EMAGRECER



E o novo regime de verão é… a dieta das duas refeições
170606. POR VÂNIA MARINHO, Lifestyle

À procura de um regime para conseguir perder os quilos extra até ao verão? Este é o mais popular do momento.

O regime das duas refeições por dia foi criado por Maz Lowery, treinador de celebridades, e promete fazer perder peso num ‘abrir e fechar de olhos’ e só com 15 minutos de exercício por dia.

Este regime, que contraria o ‘mantra’ das cinco a seis refeições por dia defendido por nutricionistas e profissionais de saúde, consiste em fazer apenas duas refeições por cada 24 horas, promovendo assim períodos de 16 a 18 horas sem comer nada sólido – só beber água, infusões e sopas.

Como reporta o Daily Mail, Maz owery diz que este regime é a forma mais eficaz e rápida de perder gordura e o excesso de peso. Estudos feitos sobre a dieta revelam que com este método se podem conseguir resultados notáveis, desde que todos os alimentos ingeridos sejam saudáveis.

A ideia é que se tome um pequeno-almoço equilibrado e saudável e só se volte a comer alimentos sólidos ao almoço, sendo que nos intervalos, em caso de fome poderá beber sopas ou smoothies.

O principal efeito deste regime ocorrerá por não jantar, o que fará com que o organismo liberte hormonas que o mantêm a queimar mais gorduras enquanto dorme.

Para acelerar ainda mais a perda de peso recomenda-se a realização de 15 minutos de exercício todos os dias.

quarta-feira, 31 de maio de 2017

ÁGUA MORNA


Um grupo de médicos japoneses confirmou que água morna é 100% efectiva na solução de alguns problemas de saúde, incluindo:
(Recebido por e-mail)

- Dor de cabeça e enxaqueca,
- Pressão sanguínea alta/baixa,
- Dores nas articulações,
- Aumento e redução súbitos de batimentos cardíacos,
- Epilepsia,
- Aumento dos níveis de colesterol,
- Tosse, desconforto corporal, coqueluche, bloqueio nas veias e asma,
- Doenças relacionadas ao útero e urina,
- Problemas estomacais e de falta de apetite,
- E todas as doenças relacionadas à vista, audição e garganta.

- COMO USAR A ÁGUA MORNA
- Levante-se cedo de manhã e tome aproximadamente 4 copos de água morna com o estômago vazio. Não coma nada nos 45 minutos seguintes.
- Poderá ser difícil de tomar os 4 copos no início, mas paulatinamente conseguirá.
- A terapia da água morna vai resolver os problemas de saúde num período razoável.

A ÁGUA DEMASIADO FRIA TEM GRAVES INCONVENIENTES.

NOTA: Na realidade, pode não ser assim tão eficaz, mas não custa experimentar. Depois, coloque aqui comentário com o resultado da sua experiência.

domingo, 28 de maio de 2017

EXCESSO DE GORDURA NO FÍGADO. 15 SINTOMAS


Os 15 sintomas de que pode ter excesso de gordura no fígado
170528. Por Notícias ao Minuto

Um fígado saudável tem, no máximo, 10% do seu peso em gordura.

A esteatose hepática, conhecida como gordura no fígado, é uma doença cada vez mais comum e que já atinge 25% da população mundial. A doença está relacionada com a obesidade, a diabetes e um estilo de vida pouco saudável.

Existem vários graus de gordura no fígado, de acordo com o médico e fisioterapeuta Juliano Pimentel, autor do livro 'Viva Melhor Sem Glúten'.

Quando não é tratada, a esteatose pode evoluir para problemas ainda mais graves de saúde, como a cirrose, onde ocorre a falência total do órgão. Quando o fígado está com mais de 10% do seu peso em gordura, diz-se que o fígado está a acumular gordura e a sua cor muda de vermelho para amarelado. Este é um sintoma que não é visível, mas existem muitos outros que podem ser indicativos do problema:

– Cansaço excessivo, fadiga, e alterações do sono;
– Perda ou ganho de peso ou mudanças no apetite;
– Fraqueza nos músculos;
– Dor na parte superior ou central do abdómen;
– Náuseas e vómitos;
– Confusão mental;
– Olhos amarelos e pele amarelada (icterícia);
– Manchas escuras na pele do pescoço e dos braços;
– Alterações na coagulação;
– Tremores;
– Inchaço nas partes inferiores do corpo;
– Fezes sem cor (brancas);
– Níveis elevados de enzimas hepáticas;
– Níveis elevados de insulina;
– Níveis elevados de triglicéridos.

Para diagnosticar o problema é necessário consultar um médico, para que este possa fazer exames como análises ao sangue, ecografia abdominal e biópsia.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

TEM DORES NAS COSTAS?

Uma dica de um amigo que as afastou.

Vivia aflito com elas por serem frequentes e fortes. A fisioterapia não era eficiente. Mas um médico diferente deu-lhe a solução eficaz e fácil: todos os dias, durante 15 minutos, estar deitado no chão, com as costas, os calcanhares e a nuca bem assentes sobre o tapete, imóvel. E, assim, deixou de ter aquele sofrimento torturador.

POLVO É SAÚDÁVEL

Polvo à mesa
(Texto extraído da Revista «Teste Saúde» de Dezembro e 2015)

Assado, guisado, frito ou panado, o polvo é muito apreciado e faz parte do catálogo natalício de várias regiões. Conheça-o melhor.

Este molusco de oito braços é pouco calórico, é rico em proteínas e tem pouca gordura, a maioria insaturada, o que é vantajoso para a saúde.

Um braço grande do polvo (100 gramas) fornece quase metade da quantidade diária recomendada de ácidos gordos do tipo ómega 3. Segundo a Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar, 250 miligramas destes ácidos por adulto ajudam a reduzir o risco de doença cardíaca.

Ao nível das vitaminas, destacam-se a B12 e a E e, nos minerais, o fósforo, o potássio e o zinco. Tem mais colesterol do que o peixe, mas menos do que o camarão, por exemplo. Contudo, a ingestão de colesterol alimentar influencia pouco o aumento desta substância no organismo. O mau colesterol está mais associado ao consumo de gordura saturada, comum na carne. Devido à sua textura, o polvo exige cuidados na preparação. A experiência diz que fica macio e suculento se for cozido congelado e com cebola, na panela de pressão (sem adicionar água), durante 20 minutos.

COMIDA PICANTE

Comida picante melhora a longevidade (Texto extraído da revista «Teste Saúde» de Dezembro de 2015)

A ingestão frequente de comida temperada com especiarias picantes está associada a maior longevidade. As conclusões de um estudo chinês, publicadas pela revista britânica «British Medical Journal», indicam que o consumo regular de comida picante está associado a um menor número de mortes prematuras, tanto ao nível global, como por causas específicas, incluindo cancro e algumas doenças cardíacas e respiratórias.

O estudo, realizado entre 2004 e 2013, envolveu quase 200 mil homens e 300 mil mulheres, entre os 39 e os 79 anos. No início não entraram doentes cardíacos, com cancro ou acidente vascular cerebral.

Os investigadores observaram que o risco de morte diminuía de forma proporcional à frequência do consumo: quem comia picante uma ou duas vezes por semana tinha 10% menos probabilidade de morte prematura do que os que o faziam menos vezes; naqueles que consumiam em três ou mais ocasiões por semana, o risco reduziu 14 por cento. Os participantes que não bebiam álcool obtiveram melhores resultados. Os investigadores acautelam, contudo, que são necessários mais estudos para confirmar os resultados e verificar o efeito de cada especiaria.

domingo, 21 de maio de 2017

quarta-feira, 17 de maio de 2017

FALTA VITAMINAS D e K E O PERIGO DE HIPERTENSÃO

A falta destas duas vitaminas aumenta o risco de hipertensão https://www.noticiasaominuto.com/lifestyle/795446/a-falta-destas-duas-vitaminas-aumenta-o-risco-de-hipertensao 170517. POR DANIELA COSTA TEIXEIRAbr />
A ingestão de couves ou vegetais de folha verde pode prevenir males maiores.

Na hora de zelar pela saúde do coração, há um aspeto que importa cada vez mais ter em conta: a alimentação. Aquilo que comemos diariamente tem um impacto direto (para bem e para o mal) na saúde em geral e em particular na saúde do coração.

Enquanto alguns alimentos se assumem como inimigos da saúde cardiovascular (como é o caso de todos os que têm grandes quantidades de sódio, gorduras saturadas, gorduras trans ou açúcar), outros não só conseguem remediar males maiores como podem mesmo assumir a postura de escudos protetores (incluindo-se aqui algumas sementes, vegetais e ainda gorduras saudáveis como o azeite e o abacate).

Seguir uma alimentação saudável é o requisito mínimo para uma boa saúde cardiovascular, mas há que prestar uma especial atenção à presença de duas vitaminas: a D e a K. Diz um recente estudo da Universidade Livre de Amesterdão que a carência destes dois micronutrientes pode desencadear o aumento de riscos cardiovasculares, mais concretamente de hipertensão (uma das condições que está na origem de um vasto leque de problemas cardíacos).

Conta o Buena Vida do jornal As que os cientistas notaram uma ligação direta entre os baixos níveis de vitamina D (micronutriente que facilita a absorção do cálcio e que está presente nos ovos, no salmão e na exposição solar, por exemplo) e de vitamina K (couve-de-bruxelas, espargo, couve-flor, repolho, caril e pimento) estão diretamente ligados à hipertensão depois de terem analisado os níveis de pressão arterial de pessoas entre os 55 e os 65 anos. Na pratica, adianta a publicação, a escassez destas duas vitaminas levou a que 62% dos participantes fosse diagnosticado com hipertensão no espaço de seis anos.

HIPERTENSÃO FACTOR DE AVC


Hipertensão... uma porta aberta para o AVC

https://www.noticiasaominuto.com/lifestyle/795304/hipertensao-uma-porta-aberta-para-o-avc
170517. Por Notícias ao Minuto

Hoje, 17 de maio, assinala-se o Dia Mundial da Hipertensão, um importante fator de risco para o AVC.

No âmbito do Dia Mundial da Hipertensão, que se assinala anualmente a 17 de maio, a Sociedade Portuguesa do Acidente Vascular Cerebral alerta para a importância da hipertensão arterial (HTA) como fator de risco para o Acidente Vascular Cerebral (AVC) através deste artigo escrito pelo Dr. Jorge Poço, coordenador da Unidade de AVC da Unidade Local de Saúde do Nordeste (ULSNE) e membro da Sociedade Portuguesa do AVC.

A HTA, definida de uma forma sucinta como a presença de valores de Pressão Arterial (PA) sistólica (vulgarmente conhecida por máxima) iguais ou superiores a 140 mmHg e/ou PA diastólica (conhecida por mínima) iguais ou superiores a 90 mmHg é, de facto, um fator de risco presente em 30 a 45% da população em geral, aumentando progressivamente nas populações mais idosas, que são uma ‘fatia’ importante das sociedades ocidentais.

Sabe-se que muitos dos doentes hipertensos, mesmo que medicados, mantêm valores acima do desejável. Estes valores elevados, poderão levar ao aparecimento de lesões em vários órgãos do corpo humano, entre os quais o cérebro, podendo surgir assim a mais temível das complicações: o Acidente Vascular Cerebral (AVC), que continua a ser a principal causa de morte e de incapacidade crónica em Portugal.

Sendo a hipertensão arterial (HTA) o principal fator de risco suscetível de intervenção na prevenção do AVC é, portanto, fundamental insistir em alguns pontos fundamentais:

• Se indicado, deve-se tomar regularmente a medicação, não caindo no erro frequente de deixar de a tomar porque as "tensões têm andado bem!".
• A responsabilidade deverá começar nas pessoas, através de uma cultura de vida adequada, principalmente através de hábitos alimentares saudáveis (com redução do consumo de sal) e prática regular de exercício físico;
• É prioritário fazer o diagnóstico, o tratamento e o controlo da HTA, sendo que neste processo é fundamental a atuação do seu médico e enfermeiro de família (para aconselhamento, vigilância, deteção e tratamento). Para tal deve-se recorrer aos cuidados de saúde, para que estes profissionais possam ajudar;
• Não se pode desvalorizar os valores elevados que possam surgir nas avaliações feitas em casa e que muitas vezes são justificados por poder estar "nervoso" ou "ansioso".

Sabendo-se que, através destes mecanismos, se consegue uma redução de até 40% de AVCs, estão aqui os argumentos mais que suficientes para nos fazer pensar duas vezes ou mais!

Os benefícios no tratamento e controlo da hipertensão arterial são para si e para quem o ama. Em caso de AVC, os que o rodeiam também sofrerão!

Para terminar, insiste-se na importância da redução do consumo de sal, a prática de exercício físico e a vigilância dos valores da pressão arterial, com a toma regular de medicação, se for o caso. E, não se esqueça: o futuro pode estar nas suas mãos!, avisa o especialista.

sábado, 13 de maio de 2017

SINAIS DA IDADE



As 20 situações que nos fazem sentir velhos
Extraído do artigo de Vânia Marinho.

A partir do 40 anos, certas situações podem fazer com que nos alarmemos em relação ao avançar da idade.

Um questionário realizado a dois mil adultos descobriu que geralmente começamo-nos a sentir a envelhecer aos 40 anos.

A partir desta idade, situações como perder as chaves ou encontrar cabelos brancos têm um especial impacto fazendo com que nos sintamos velhos.

Segundo o que este estudo apurou e o Mirror reportou, podemos confirmar as seguintes 20 situações que nos fazem sentir velhos:

1.- Notar rugas no rosto,
2.- Perceber que a sua visão já não é tão boa como costumava ser,
3.- Perceber que a sua audição já não é tão boa como costumava ser,
4.- Sentir que a sua imagem está mais velha,
5.- Notar que os ossos fazem barulho quando se senta e levanta,
6.- Encontrar cabelos brancos,
7.- Entrar numa divisão e não se lembrar do que é que lá foi fazer,
8.- Ter dificuldade em baixar-se para brincar com os seus filhos,
9.- Começar a usar a frase "Quando eu era novo",
10.- Ter de parar de fazer certos desportos porque é demasiado lento e se sente cansado,
11.- Notar que está a perder cabelo,
12.- Não se lembrar de onde estacionou o carro,
13.- Procurar os óculos sem perceber que os tem na cara,
14.- Sentir-se demasiado cansado para fazer sexo,
15.- Esquecer-se temporariamente do nome do seu filho,
16. -Começar a ir de carro para sítios para onde costumava ir a pé ou de bicicleta,
17.- Perder as chaves,
18.- Usar meias com sandálias,
19.- Desenvolver o gosto por xerez,
20.- Começar a fazer o truque da moeda atrás da orelha às crianças.

Mas não devemos deixar-nos arrastar por tais preocupações, mas procurar manter a vivacidade com interesse pelo que se passa em redor e no Mundo e tentar aprender mais, a fim de manter o cérebro activo, para não perder completamente a JUVENTUDE.

CUIDADOS COM OS SINAIS NA PELE

Transcrição:

Guia para perceber se um sinal pode ser maligno
Por Vânia Marinho e Lusa

Conheça os cinco sinais que ajudam os especialistas - e que o podem ajudar a si – a detetar se um sinal na pele pode ser canceroso.

À medida que os anos vão passando e que a nossa pele também vai envelhecendo, começam a aparecer sinais de uma forma quase misteriosa.
Podem surgir em várias formas, cores e tamanhos, mas enquanto muitos são inofensivos, alguns podem não ser.

O cancro da pele é a segunda forma mais comum da doença em pessoas com menos de 50 anos. Os especialistas alertam que a percentagem de diagnósticos precoces podia ser muito mais alta.

O melanoma é o tipo de cancro da pele mais grave, mas também um dos cancros mais tratáveis. Para conseguir perceber se um sinal é motivo de preocupação e deve ser visto por um médico há cinco sinais a que deve estar atento:

1. À assimetria do sinal, ou seja se o sinal tem uma forma irregular;

2. Aos limites do sinal. Se o sinal não é perfeitamente redondo e as suas margens são irregulares;

3. Às mudanças de cor. Se um sinal muda de cor ou tem uma cor diferente em algumas partes, deve pedir ao seu médico de família ou dermatologista que o analise;

4. Ao diâmetro. Qualquer aumento no tamanho do sinal, em particular se for de mais de seis milímetros, deve ser registado e analisado por um especialista;

5. Aos relevos. Se o sinal ficar com uma elevação irregular, deve pedir que o seu médico o analise para confirmar se está tudo bem.

Abaixo pode ver um pequeno vídeo com uma animação em inglês que destaca estes sinais:
[Vídeo]
https://youtu.be/Qww4riEyl2w

terça-feira, 2 de maio de 2017

PESO A MAIS. PORQUÊ?



Peso a mais? Estes podem ser os culpados

Os quilos a mais nem sempre são culpa apenas da má alimentação. Veja tudo o que pode estar a interferir com o peso.
LIFESTYLE SAÚDE 23:09 - 27/04/17 POR DANIELA COSTA TEIXEIRA

A luta contra o excesso de peso é uma realidade cada vez mais global e um dos fatores que mais impacto negativo tem na saúde e qualidade de vida das pessoas, deixando-as à mercê de várias doenças relacionadas com o estilo de vida, como os problemas cardiovasculares causados pelo aumento do colesterol ou ainda a diabetes tipo 2.
Embora o peso a mais esteja fortemente associado às más escolhas alimentares, esta realidade afeta até mesmo as pessoas que seguem uma alimentação saudável e equilibrada. Sim, as escolhas alimentares são determinantes para os quilos extra (ou para perdê-los), mas estão longe de serem as únicas culpadas nesta luta.
O estilo de vida é também determinante e, aqui, o sedentarismo assume-se como maior vilão dos números que aparecem na balança. Contudo, também a genética e algumas doenças – como estas auto-imunes – podem interferir com a capacidade de fazer frente ao peso a mais.
O site Buena Vida do jornal As listou tudo aquilo que pode interferir com a capacidade de emagrecer. Saiba quem são os verdadeiros culpados.

Peso a mais? Estes podem ser os culpados
1- Dieta desequilibrada. Como não poderia deixar de ser, as más escolhas alimentares são determinantes para o ganho de peso.
2- Viagens ou mudanças de hábitos, que obriguem a refeições mais rápidas e práticas (mas menos saudáveis).
3- Doenças, sejam elas a síndrome metabólica, a depressão ou problemas auto-imunes.
4- Sedentarismo.
5 - Deixar de fumar, uma vez que a escassez de nicotina vai estimular os neurotransmissores relacionados com o apetite.
6 - Mudança de casa, especialmente quando isso implica ir para uma localidade que não se conhece e onde não se tem amigos e familiares.
7 - Genética, especialmente quando tanto o pai como a mãe apresentam excesso de peso. Neste caso, o risco de ter peso a mais é 80% maior.
8- Alguns medicamentos, como os antidepressivos ou calmantes.