Bem Vindos !

Quando era criança, na minha aldeia, ouvia com frequência a expressão dos mais simples objectivos das pessoas «haja pão e coza o forno». Realmente, havendo «saúde e alimentação», tudo acaba por ser resolvido. Decidi, por isso, guardar neste espaço, tudo o que estiver guardado nos blogs a que tenho acesso e o que venha a obter sobre este tema, com a convicção de que a saúde depende muito da alimentação e do estado de espírito. (A.João Soares)

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

O MITO DO COLESTEROL

A ligação entre doenças cardíacas e colesterol no sangue é um dogma médico dominante desde os últimos 50 anos.

Tal facto levou ao desenvolvimento na indústria alimentar de produtos com “baixo teor de gordura”, com os quais aufere lucros de biliões de dólares.
A aliar a isto, as estatinas, fármacos que reduzem os níveis de colesterol, tornaram-se um dos medicamentos mais prescritos em todo o mundo.

Apesar de nos países desenvolvidos as taxas de colesterol terem diminuído, o número de doenças e acidentes cardíacos parecem não ter reduzido.
Assim, os investigadores contestam cada vez mais as explicações tradicionais acerca do problema e procuram novas respostas e soluções.

Cholesterol, The Great Bluff, realizado porAnne Georget e produzido pela Quark Productions


domingo, 24 de dezembro de 2017

É GRIPE OU CONSTIPAÇÃO!

É GRIPE OU CONSTIPAÇÃO ?
CUIDADO COM A PNEUMONIA !

 OS SINTOMAS SÃO DE GRIPE, DE CONSTIPAÇÃO OU DE PNEUMONIA ?

O QUE É CONSTIPAÇÃO?

A constipação é a mais comum das doenças virais porque é causada por mais de 200 estirpes de vírus, sendo o rinovírus o mais frequente com cerca de 100 estirpes. A constipação pode infectar adultos e crianças sendo que estas podem constipar-se 10 a 12 vezes por ano enquanto ao adultos, em média, constipam-se 2 a 4 vazes por ano. A maior frequência nas crianças justifica-se pela imaturidade do seu sistema imunitário e pelo contacto mais próximo com outras crianças.

QUAIS OS SINTOMAS DE CONSTIPAÇÃO ?
Os principais sintomas da constipação são os seguintes:
- Corrimento nasal
- Espirros
- Garganta inflamada
- Irritação ocular
- Início lento, repentino
- Tosse ligeira ou moderada
- Dores musculares ligeiras
- Ausência ou febre baixa

COMO TRATAR UMA CONSTIPAÇÃO ?
- Repouso
- Ingestão de líquidos (água ou chá)
- Gargarejar com água salgada para aliviar a garganta
- Aplicar no nariz sprays salinos (tipo água do mar)
- Paracematol em caso de febre (1g de 8/8h nos adultos)
- Ibuprofeno em caso de dores mais fortes (600mg de 12/12h nos adultos)
- Anti-histamínicos (ex. Desloratadina ou cetirizina 1 comprimido à noite) para diminuir o corrimento nasal e os espirros.
- KALOBA novidade em 2016, o que é? O KALOBA é uma nova terapêutica para o tratamento da constipação comum, à base de Pelargonium sidoides (Eps 7630), que tem um triplo mecanismo de acção:
- Antivirico
- Antibacteriano
– Secretomotor.
O KALOBA actua na causa da doença reduzindo a severidade dos sintomas logo a partir do 2º dia e reduzindo a duração da doença.
Deve ser tomado 3xdia e manter até 2 a 3 dias depois do desaparecimento dos sintomas:
Em Portugal existem 3 apresentações:
- KALOBA 21 comprimidos. Tomar 1 comprimido 3xdia.
- KALOBA gotas orais 20ml. Tomar 30 gotas 3xdia.
- KALOBA gotas orais 50ml. Tomar 30 gotas 3xdia.

O QUE É A GRIPE ?
A gripe é uma doença vírica muito séria em doentes de risco, que têm o sistema imunitário comprometido, nomeadamente por causa de doenças pulmonares crónicas, correndo risco muito mais elevado de pneumonia. Também as crianças e os idosos devem ser alvo de uma atenção especial.

 QUAIS OS GRUPOS DE RISCO PARA APANHAR GRIPE ?
Existem grupos de pessoas que pela sua fragilidade imunitária necessitam de estar mais protegidos, nomeadamente tomando a vacina da gripe. Esses grupos mais expostos à gripe são os seguintes:
- Idade superior a 60 anos
- Profissionais de saúde
- Diabéticos
- Grávidas
- Doentes com doença renal
- Doentes com doença respiratória
- Doentes com doença cardíaca
- Doentes imunodeprimidos

QUAIS OS SINTOMAS MAIS FREQUENTES ?
Os sintomas mais frequentes de um quadro gripal são os seguintes :
- Início repentino (3 a 6 horas)
- Febre alta (superior a 38ºC)
- Dores de cabeça fortes
- Dores musculares fortes
- Cansaço
- Tosse seca e por vezes intensa
Estes sintomas podem evoluir para um quadro mais grave pelo que o doente e seus familiares devem estar atentos e se necessário procurar apoio médico urgente.

QUAIS OS SINTOMAS DE ALARME PARA APOIO MÉDICO URGENTE ?
A gripe pode evoluir para uma condição de saúde grave com quadro de pneumonia. Os seguintes sintomas indicam um agravamento do estado de saúde e devem de imediato levar o doente a procurar assistência médica urgente, a saber:
- Falta de ar
- Respiração rápida
- Febre persistente
- Dor toráxica ao inspirar
- Tosse com muco amarelo ou esverdeado
- Cansaço muito intenso

TIPOS DE VÍRUS DA GRIPE INFLUENZA
Existem três tipos de vírus da gripe: influenza A, B, e C.
Cada vírus tem sintomas semelhantes e infecta os seus pulmões e vias aéreas superiores, causando um súbito aumento da temperatura e dor em geral. Tipicamente, todos os anos, vão estar presentes uma ou duas estirpes de influenza A a circular, bem como uma estirpe do tipo B. Nem todas as estirpes são igualmente perigosas, nem alastram da mesma forma, sendo a influenza A e a B as mais comuns.

 GRIPE A / INFLUENZA A
A influenza A tem o potencial de ser o mais perigoso e prejudicial dos três tipos de vírus da gripe. Predominantemente encontrada em pássaros selvagens, a estirpe A pode e tem sido transmitida entre diferentes espécies animais, incluindo humanos.
Quando é transmitida, a estirpe altera-se e o vírus pode evoluir sem problema. Quando isto ocorre, em conjunto com o facto de a influenza ser um vírus altamente contagioso, podem ocorrer pandemias e surtos massivos do tipo A. A gripe suína e a gripe das aves são ambos exemplos do tipo A que evoluíram através das espécies resultando num vírus potencialmente mortal. Estes vírus podem também ser divididos em diferentes subtipos dependendo do tipo de proteínas presentes na sua superfície, denominadas hemaglutinina (H) e neuraminidase (N). Por exemplo, a gripe suína é também conhecida como H1N1 e a gripe das aves é conhecida como H5N1.

GRIPE B / INFLUENZA B
 A influenza B é mais frequentemente encontrada em humanos. É o tipo mais simples de gripe que pode ter, uma vez que este não tem uma forte capacidade de sofrer mutação e evoluir, tornando o vírus estável. Como o vírus se mantém o mesmo, foi criada uma cura e as pessoas que sofrem deste tipo podem ser tratadas relativamente fácil e eficazmente.
A estirpe B sofre mutações três vezes mais devagar que a estirpe A e por isso, os humanos são capazes de desenvolver imunidade contra esta desde tenra idade.

GRIPE C / INFLUENZA C
O tipo C é o tipo menos comum de influenza e pode ser encontrado em cães, porcos e humanos. Raramente infecta adultos, mas pode infectar crianças pequenas. Não desencadeia epidemias mas pode causar infecções respiratórias e complicações no caso de uma pessoa ser infectada.

COMO SE TRANSMITE O VÍRUS DA GRIPE ?
O vírus influenza é transportado pelo ar e consegue sobreviver 24 horas fora de um organismo hospedeiro vivo acentuando assim o seu grau de contágio. Basta uma pessoa com gripe falar, tossír ou espirrar que facilmente liberta partículas infectadas que penetram facilmente noutro organismo, contagiando-o. Não é, portanto, necessário contacto físico directo para ocorrer o contágio, basta apenas alguma proximidade.


COMO TRATAR A GRIPE ?
- Descansar em casa
- Ingerindo bastantes líquidos (água ou chá) em pouca quantidade mas várias vezes ao dia. 
- Inalar vapores de água para suavizar a garganta.
- Evitar mudanças de temperatura.
- Tomar paracetamol para baixar a febre se superior a 38,5ºC (1g de 8/8h nos adultos).
- Tomar ibuprofeno (600mg de 12/812h nos adultos) em caso de dores mais fortes e febre em simultâneo alternando com paracetamatol se necessário de 6 em 6 horas.

OS ANTIBIÓTICOS PODEM TRATAR A GRIPE OU A CONSTIPAÇÃO ?
 Os antibióticos apenas tratam doenças causadas por bactérias. Por isso são completamente contraindicados para tratar infecções virais como a gripe ou a constipação.
Aliás se forem utilizados erradamente contra doenças causadas por vírus vão potenciar o aumento das resistências bacterianas ou seja vão ajudar a selecionar a sobrevivência de bactérias mais “fortes” que vão sofrer mutações e resistir a esses antibióticos no futuro.
Estas resistências obrigam à utilização de antibióticos cada vez mais “potentes” e portanto com mais efeitos secundários, nomeadamente destruindo parte da nossa flora intestinal (bactérias “boas” que vivem no nosso intestino).
Esta destruição da flora intestinal vai por sua vez causar uma enorme debilidade no nosso sistema imunitário podendo aumentar o número de outras infecções “oportunistas” causadas por fungos, vírus e outras bactérias. Estas infecções chamadas “oportunistas” não aparecem quando temos uma flora intestinal equilibrada.

A VACINA DA GRIPE PROTEGE TOTALMENTE ?
A vacina da gripe é uma excelente protecção. No entanto apenas nos protege das 3 estirpes do vírus influenza que a OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que possam ser mais predominantes em cada ano.

A VACINA DA GRIPE CONTÉM O VÍRUS INTEIRO VIVO OU MORTO?
Nem vivo nem morto. Estas vacinas são inactivadas e contêm antigénios de superfície (virião fragmentado) ou seja não contêm o vírus inteiro nem sequer “adormecido” como era habitual há muitos anos atrás.
No entanto os antigénios de superfície, que são apenas os fragmentos proteicos do vírus responsáveis pela resposta imunológica do nosso sistema imunitário, são extremamente eficazes a provocar essa resposta e, portanto, a proteger-nos dessas estirpes. Mesmo assim, a protecção, geralmente, surge apenas passadas 2 a 3 semanas após a injecção. Significa, portanto, que se surgir um contacto com as estirpes contidas na vacina nas primeiras 2 semanas após a aplicação a protecção pode não estar ainda activa e apanhar a gripe.

QUAL A COMPOSIÇÃO DA VACINA DA GRIPE NA ÉPOCA 2016/2017 ?
Para a época 2016/2017, no hemisfério norte, as substâncias activas da vacina da gripe são os antigénios de superfície de vírus influenza (hemaglutinina e neuraminidase) das seguintes estirpes (por dose de 0,5ml):
- A/California/7/2009 (H1N1)pdm09 – estirpe análoga (A/Californa/7/2009, X-181) 15 microgramas de HA
- A/Hong Kong/4801/2014 (H3N2) – estirpe análoga (A/Hong kong/4801/2014, X-263B) 15 microgramas de HA
/Brisbane/60/2008 – estirpe análoga (B/Bris bane/60/2008, tipo selvagem) 15 microgramas de HA - cultivados em ovos de galinha fertilizados provenientes de bandos de galinhas saudáveis.
Esta vacina cumpre com as recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) (Hemisfério Norte) e as recomendações da UE para a época de 2016/2017.
Os outros ingredientes usados para assegurar a conservação e estabilidade da vacina são:
- Cloreto de potássio
- Fosfato monopotássico
- Fosfato dissódico di-hidratado
- Cloreto de sódio
- Cloreto de cálcio di-hidratado –
Cloreto de magnésio hexa-hidratado
 - Água para preparações injectáveis.

QUAIS OS RISCOS DA VACINA DA GRIPE ?
As estirpes utilizadas nas vacinas da gripe são propagadas em ovos de galinha fertilizados de bandos de galinhas saudáveis. Por conseguinte a aplicação em pessoas alérgicas a ovos está completamente contra-indicada, sobre risco de ter uma reacção anafilática que pode ser fatal, se não receber apoio médico imediato. As possíveis reacções aos excipientes utilizados na preparação e estabilização da vacina, são raras.

RISCO DE PNEUMONIA CAUSADA PELA GRIPE ?
A pneumonia é também uma infecção respiratória mas que pode ser causada por vírus, bactérias e fungos (estes de forma mais rara.
Quando o nosso organismo e sistema imunitário está debilitado os micro-organismos infecciosos conseguem passar mais facilmente os filtros naturais do nosso corpo tais como os cílios nasais ( os conhecidos “pêlos do nariz”) e chegar mais facilmente aos pulmões.
Nos pulmões instalam-se numa espécie de pequenos sacos de ar chamados alvéolos onde são “atacados” pelos nossos glóbulos brancos que circulam no sangue.
No entanto, nem sempre esta defesa é eficaz levando ao aparecimento dos primeiros sintomas da infecção principalmente nos doentes crónicos e imunodeprimidos.

QUAIS OS SINTOMAS DE PNEUMONIA ?
Alguns dos sintomas da pneumonia são similares aos da gripe mas mais graves, a saber:
- Febre elevada
- Suores
- Arrepios
- Tosse
- Fadiga
- Dores musculares
- Dor de cabeça
Quando a infecção avança aparecem sintomas mais graves tais como:
- Produção de muco
- Dificuldade em respirar
- Dor no peito
Como inicialmente a pneumonia pode confundir-se com gripe ou constipação, deve consultar o médico se os primeiros sintomas persistirem demasiado dias ou de imediato se aparecerem os sintomas mais graves acima referidos como falta de ar ou dor no peito.

QUAL É O PERIGO DA PNEUMONIA ?
Se não tratada a tempo a infecção pode alastrar para a corrente sanguínea (septicémia) e generalizar-se a outras partes do organismo podendo nos casos mais graves causar a morte.

QUAL O TRATAMENTO PARA A PNEUMONIA ?
O tratamento para a pneumonia depende da causa:
- Viral – tomar medicamentos antivíricos, repouso, ingestão abundante de líquidos.
- Fúngica – tomar medicamentos antifúngicos.
- Bacteriana – tomar medicamentos antibióticos.
Geralmente trata-se em casa, tomando os medicamentos acima referidos, com repouso e hidratação e só em caso de dificuldade respiratória mais grave é necessário o internamento.

CONCLUINDO
A gripe é uma doença que pode ser mais grave do que geralmente a maioria das pessoas julga. Demasiadas pessoas continuam com a ideia que a gripe é uma doença benigna que no pior dos cenários os leva a ficar alguns dias a descansar em casa e que no final o seu sistema imunitário estará preparado para vencer o vírus. No entanto existe uma preocupação crescente das entidades de saúde com eventuais mutações do vírus da gripe que podem ser letais. A história da gripe não deixa dúvidas de que, tal como no no passado, algures no futuro vai existir uma mutação muito grave que pode matar imensas pessoas se não for atempadamente detectada e desenvolvida a respectiva vacina. Entretanto mantendo, um cenário optimista devem vacinar-se para já as pessoas com sistema imunitário mais frágil tais como doentes crónicos, idosos, diabéticos, grávidas, profissionais de saúde e outros referidos anteriormente. Se está enquadrado em algum dos grupos de risco não tenha dúvidas vacine-se o quanto antes não esquecendo que a protecção total só é atingida 2 a 3 semanas após a aplicação da vacina.

TABELA DAS DIFERENÇAS ENTRE GRIPE E CONSTIPAÇÃO

CARACTERITICAS 
                                                  
 Febre GRIPE - Geralmente superior a 38ºC durante 3 a 4 dias; CONSTIPAÇÃO -  Sem febre ou febre baixa
 Dor de cabeça  GRIPE - Dor geralmente forte;  CONSTIPAÇÃO - Raramente
Dores musculares GRIPE -  Dores fortes;  CONSTIPAÇÃO - Dores leves
Tosse  GRIPE - Geralmente seca e por vezes intensa;  GRIPE - Ligeira ou moderada
Secreção nasal GRIPE - Não;   CONSTIPAÇÃO - Sim, corrimento nasal
Cansaço GRIPE - Sim, pode ser intenso; CONSTIPAÇÃO - Ligeiro
Início dos sintomas GRIPE - Repentino, 3 a 6 horas com febre alta e dores –GRIPE - Desenvolve ao longo de alguns dias
Arrepios GRIPE – Frequentes;  CONSTIPAÇÃO - Raros
Espirros  GRIPE – Raramente; CONSTIPAÇÃO -  Frequentes;
Dor de garganta – GRIPE – Raramente; CONSTIPAÇÃO  - Sim, garganta inflamada e dor forte
Irritação ocular GRIPE – Raramente; CONSTIPAÇÃO - Frequente
Vómitos e diarreia GRIPE -  Pode acontecer nas crianças; CONSTIPAÇÃO - Não
Vírus responsável GRIPE -  Influenza A, B, ouC várias estirpes diferentes; CONSTIPAÇÃO - Rinovírus (mais de 200 tipos)
Zonas afectadas GRIPE - Nariz, garganta e pulmões;; CONSTIPAÇÃO - Nariz e garganta
Forma de transmissão Inalação ou contacto com superfícies contaminadas
Duração GRIPE - A tosse prolonga-se durante vários dias. Repouso completo 2 a 4 dias; CONSTIPAÇÃO - 1 a 3 semanas de desconforto
Prevenção  GRIPE – vacinação anual anti-gripal; CONSTIPAÇÃO - Lavar as mãos frequentemente
Tratamento GRIPE Descanso e muitos líquidos (água e chá), analgésicos, antipréticos e antitússicos; CONSTIPAÇÃO - Anti-histamínicos para descongestionar a nariz analgésicos e antipréticos se dores ou febre.

RECEITA DE XAROPE DE MEL E CEBOLA PARA PREVENIR E CURAR GRIPE
Trata-se de um velho remédio caseiro que costuma resolver a maioria dos problemas respiratórios. Antes de deitar parta uma cebola ao meio e ponha num prato ao lado da cama (mesa cabeceira).

INGREDIENTES:
1 – cebola média
2 – copos de água
1 – sumo de limão espremido
2 – colheres (chá) de mel puro

MODO DE PREPARO:
 Coloque 2 copos de água numa panela, corte a cebola em pedaços grandes e deixe ferver cerca de 15 minutos. Deixe repousar 5 minutos. Coe e acrescente duas colheres (chá) de mel. Adicione o sumo de limão espremido. Tome uma colher de sopa de 8 em 8 horas.

O xarope tem que ser consumido no máximo em dois dias.

BENEFÍCIOS DA SALSA - LIMPEZA DOS RINS

COMO LIMPAR OS RINS SEM DOR - BOM PARA TODAS AS IDADES.


LIMPE OS SEUS RINS

Os anos passam e nossos rins estão sempre filtrando o sangue, removendo o sal, veneno e tudo que seja prejudicial em nosso sistema.
Com o tempo, o sal se acumula e isso precisa de um tratamento de limpeza, e ... como se livrar disso? 
É muito fácil, primeiro pegue um ramo de salsa e lave muito bem, em seguida, corte em pedaços pequenos e coloque-o em uma panela e adicione água limpa (1 litro). Ferva por dez minutos, deixe esfriar, coe em uma garrafa limpa e coloque-o na geladeira.
Beba um copo por dia e você vai ver que todo o sal e veneno acumulado no seus rins, começam a surgir ao urinar.
-


A Salsa é conhecida como o melhor tratamento de limpeza para os rins e é natural!

 •É um poderoso antioxidante: rejuvenesce a pele
• Contém beta-caroteno
• Rico em sais minerais como cálcio, fósforo, ferro e enxofre.
• Rico em clorofila: combate o mau hálito, ajuda a limpar o corpo de toxinas e excesso de gordura.
• Rico em vitamina C: previne o câncer, problemas cardíacos e catarata e infecções e ajuda a fortalecer o sistema imunológico do corpo.
• Por ser rica em cálcio, é muito adequada nas dietas para combater e prevenir a osteoporose durante a menopausa. É muito benéfico para as crianças e atletas.
• É diurética: ajuda a eliminar líquidos naturalmente. Para esse motivo, é usada em dietas para o tratamento de hipertensão e para a saúde dos rins.
• O alto teor de vitaminas e minerais faz com que seja ideal para o combate e prevenção da anemia, anorexia, fraqueza geral, cansaço, fadiga física e mental.

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

EVITAR AVC

Aviso muito importante para evitar AVC

Para aqueles que acordam à noite para ir ao WC ou banheiro. Deve ter cuidado com a lei de um minuto e meio, que é cientificamente comprovada "ao acordar de repente" para urinar.

Você já deve ter ouvido que alguém "estava com boa saúde e morreu de noite aparentemente sem nenhum motivo."

Mas aí é que está o engano, o motivo mais provável é que, quando ele acorda para ir ao banheiro, levanta-se da cama com muita pressa.

Neste momento, o cérebro precisa de fluxo sanguíneo e, dormindo, o bombeamento sanguíneo é mais lento nas mudanças cardíacas e, quando ele se levanta apressado, o cérebro não recebe sangue suficiente, causando desmaio e AVC: acidente vascular cerebral.

Recomenda-se o treino da lei do minuto e meio que pode salvar sua vida.

Quando se levantar de noite para urinar, você tem que permanecer acordado... deitado por 30 segundos, e depois se sentar na cama por mais 30 segundos, baixando as pernas em movimentos lentos para fora da cama por 30 segundos.
Aí, já pode fazer o seu “xixi...” sem nenhum risco de morrer de acidente súbito vascular cerebral.

Estas recomendações são válidas para todas as idades.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

ÁGUA MORNA TRAZ BENEFÍCIOS PARA A NOSSA SAÚDE



Benefícios da água morna

Água morna !..Água gelada!...

Água morna

Um grupo de médicos japoneses confirmou que água morna é 100% efectiva na solução de alguns problemas de saúde. Incluindo:

_Dor de cabeça e enxaqueca
_Pressão sanguínea alta/baixa
_Dores nas articulações
_Aumento e redução súbitos de batimentos cardíacos
_Epilepsia
_Aumento dos níveis de colesterol
_Tosse, desconforto corporal, coqueluche, bloqueio nas veias e asma
_Doenças relacionadas ao útero e urina
_Problemas estomacais e falta de apetite
_E todas as doenças relacionadas à vista, audição e garganta.

COMO USAR A ÁGUA MORNA

_Levante-se cedo de manhã e tome aproximadamente 4 copos de água morna com o estômago vazio. Não coma nada nos 45 minutos seguintes.
_Poderá ser difícil de tomar os 4 copos no início, mas paulatinamente conseguirá.

_A terapia da água morna vai resolver os problemas de saúde num período razoável:

_Diabetes em 30 dias
_Pressão sanguínea em 30 dias
_Problemas ligados ao estômago em 10 dias
_Todo o tipo de câncer em 9 meses
_Bloqueio das veias em 6 meses
_Falta de apetite em 10 dias
_Problemas ligados ao útero em 10 dias
_Problemas nazais auditivos, e de garganta em 10 dias
_Problemas femininos (?) em 15 dias
_Doenças do coração em 30 dias
_Dores de cabeça/Enxaqueca em 3 dias
_Baixa pressão sanguínea em 30 dias
_Colesterol em 4 meses
_Epilepsia e paralisia contínua em 9 meses
_Asma em 4 meses

A ÁGUA GELADA FAZ MAL PARA VOCÊ
_No passado, dizia-se que: se a água gelada não lhe afetar na juventude, vai afetar na velhice.
_A água gelada fecha 4 veias do coração e causa ataque cardíaco.
_Bebidas geladas são a principal causa de ataques cardíacos.
_A água gelada cria problemas no fígado; prende a gordura ao fígado. Muitas das pessoas que aguardam por um transplante de fígado, são vítimas da água gelada.
_A água gelada afecta as paredes internas do estômago.
_A água gelada afecta o estômago e o intestino grosso, causando câncer.

segunda-feira, 13 de novembro de 2017

CHIP QUE CURA



Na situação actual de funcionamento dos negócios da saúde – laboratórios farmacêuticos , hospitais e médicos - com desmedida ambição de dinheiro, este tratamento será boicotado por todo o sistema, a não ser que o ponham por preços exorbitantes de forma a os produtos actuais não sentirem a concorrência. Estamos num mundo diabólico com o domínio da droga chamada dinheiro. Oxalá o meu pessimismo não venha a concretizar-se e que este tratamento milagroso se torne a realidade esperada.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

O SOL, A VITAMINA D E A NOSSA SAÚDE

Transcrição

Vitamina D. Quando o sol é mesmo uma fonte de saúde por excelência

Diz-me quanto tempo passas ao sol e dir-te-ei como será a tua saúde. Neste que é o Dia Mundial da Vitamina D, o Lifestyle ao Minuto falou com duas especialistas sobre a importância da vitamina do sol.



Vitamina D. Quando o sol é mesmo uma fonte de saúde por excelência. © iStock

 Portugal é um dos países com maior bênção de luz solar do mundo, mas, mesmo assim, os portugueses conseguem apresentar baixos níveis de vitamina D, até mesmo quando comparados com os nórdicos.

No ano passado, um estudo do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra conclui que 65% da população nacional carece deste micronutriente, mas, se somos um país bastante solarengo, porque é que temos pouca vitamina D? A resposta é simples: "Tem tudo a ver com o nosso estilo de vida".

Em conversa com o Lifestyle ao Minuto, a farmacêutica Inês Veiga explica que "temos um país com uma disposição geográfica muito privilegiada, mas não apanhamos sol suficiente. Tem a ver com a nossa cultura, com o nosso estilo de vida, nós só apanhamos sol durante o verão e mesmo no verão não apanhamos sol diariamente".

As recomendações nacionais e internacionais para se conseguir manter bons e estáveis níveis de vitamina D no organismo sugerem uma exposição solar direta e desprotegida de 15 minutos por dia. "Sete dias por semana, doze meses por ano. Quinze minutos por dia durante todo o ano era o ideal, mas o que acontece é que só apanhamos sol durante o verão e mesmo no verão apanhamos mais radiação solar nas férias e no resto do verão apanhamos só sol ao fim de semana", continua a especialista, que destaca que "temos um outro problema adicional ao qual nem devemos chamar problema e que tem a ver com a redução do risco de cancro da pele e, felizmente, hoje muita gente recorre ao uso de protetor solar". "Mesmo quando vamos à praia e nos expomos ao sol no horário ideal para a produção de vitamina D - que é precisamente no horário em que nos dizem para não irmos à praia, entre as 12h00 e as 15h00, quando a radiação solar atinge a terra de uma forma perpendicular - nós barramos-nos com protetor solar e basta mesmo um fator de proteção solar de 15 para bloquear em 95% a capacidade que a pele tem de produzir a vitamina D", explica.

Para Inês Veiga, "estes dois fatores são extremamente importantes para justificar que na população portuguesa haja baixos níveis de vitamina D: a pouca exposição solar durante o ano e a exposição feita no verão acontece com o recurso ao protetor solar".

O que é a vitamina D e para que serve esta 'dádiva' solar

A vitamina D é um micronutriente de base lipossolúvel que se apresenta sob a forma de vitamina D2 - calciferol - e vitamina D3 - colecalciferol. O sol é a maior fonte de vitamina D, mas esta pode ainda ser encontrada em alimentos de origem animal (vitamina D3) ou em alimentos de origem vegetal (D2), embora a sua absorção pelo organismo seja menos eficiente do que a vitamina D obtida diretamente da luz solar.

De acordo com Inês Veiga, "as pessoas já estão sensibilizadas para a questão da deficiência [de vitamina D], o que as pessoas ainda não perceberam são as consequências que isso pode ter". A mais conhecida tem a ver com uma das principais funções da vitamina D que é a absorção do cálcio. Na prática, se tivermos baixos níveis de vitamina D no organismo, não conseguimos produzir uma hormona que se chama calcitriol, que é responsável pela absorção de cálcio, "aumentando o risco de osteoporose".

Mas esta não é a única patologia associada à falta de vitamina D. "Vários estudos mostram que as pessoas que carecem de vitamina D têm um risco aumentado de, por exemplo, diabetes, doenças cardiovasculares, doenças infecciosas e li há pouco tempo um estudo interessante acerca da relação da deficiência de vitamina D no inverno com o risco de gripes. Faz-se muito vacinação para a gripe, mas o que as pessoas possivelmente precisavam de fazer era suplementação com vitamina D", diz, destacando que "há, de facto, uma associação importante entre a deficiência de vitamina D e o risco de doenças infecciosas, inclusivamente um risco acrescido de cancro".

"A vitamina D tem funções em todo o organismo, não é apenas importante para absorção de cálcio, todas as células do nosso organismo têm recetores de vitamina D, portanto, o papel dela é muito mais abrangente do que a calcificação do osso", frisa.

Segundo a nutricionista Ana Teresa Macário, a vitamina D em doses corretas pode ainda "contribuir para o estímulo do nosso sistema imunitário e existem estudos que relacionam a deficiência de vitamina D com estados depressivos".

Por se tratar de uma vitamina que requer o acesso à exposição solar e por se tratar de uma vitamina com um tremendo impacto na saúde óssea, existem algumas pessoas que encaixam nos ditos grupos de risco. É o caso dos idosos: "Temos uma população cada vez mais envelhecida, que não se expõe ao sol e que, adicionalmente, tem outra limitação: a partir dos 60 anos, a capacidade que a pele tem de produzir vitamina D reduz para 25%. Mesmo uma pessoa idosa que tenha o cuidado de andar na rua e de se expor ao sol, já só tem a capacidade de produzir 25% de vitamina D, comparativamente com o que produzia quando tinha 20 anos". Mas não só: grávidas, crianças, pessoas internadas, reclusos... "De uma forma geral, mesmo pessoas saudáveis e jovens que trabalhem num escritório com janelas correm o risco de carecer de vitamina D, porque a radiação solar não atinge diretamente a pele e não consegue produzir a vitamina D", alerta a farmacêutica.

Cansaço, ossos partidos, fraqueza muscular e gripes/constipações frequentes e 'fora de horas' são alguns dos indícios mais claros de que o organismo possui baixos níveis da vitamina do sol.

Quando a alimentação não chega para fazer frente à má exposição solar

"Temos diversas fontes de vitamina D, mas não são suficientes", começa por dizer-nos a nutricionista Ana Teresa Macário.

Embora a vitamina D esteja presente em alimentos como o queijo, o iogurte, o leite, o ovo, o salmão, o atum, a ostra e o cogumelo, a verdade é que o seu impacto no organismo fica aquém do desejado, embora a "biodisponibilidade da vitamina D" em alguns destes alimentos é "boa, porque também existe magnésio e fósforo e estes três minerais permitem uma maior absorção do cálcio nos ossos, que é a principal função da vitamina D".

Uma vez que se trata de uma vitamina lipossolúvel, acaba por "estar nesse tipo de alimentos com alguma gordura. Quem consome, por exemplo, leite magro, vai ter um menor aporte de vitamina D do que quem consome leite meio-gordo, por isso é que recomendamos o leite meio-gordo às crianças", frisa.

Por estar maioritariamente presente em alimentos de origem animal, a iminência de carência por parte dos vegetarianos é uma questão ainda não muito explorada por quem segue este padrão alimentar. De acordo com a nutricionista, "é possível obter vitamina D através de uma dieta vegetariana, mas é uma forma da vitamina, a D2, que é muito menos absorvida. É o calciferol, que é uma forma não ativa da vitamina D, existe, por exemplo, nos cogumelos. Há alimentos de origem vegetal que contêm vitamina D, mas não é uma vitamina D com biodisponibilidade como a vitamina D3, que é a forma ativa da vitamina".

Então, como é que se consegue assegurar a qualidade mínima de vitamina D quando se apanha pouco sol e não se consegue beneficiar totalmente da alimentação? Através da suplementação. Embora o Infarmed tenha alertado para um "anormal" consumo de vitamina D, a verdade é que a suplementação continua a ser a forma mais eficaz e segura de obter este nutriente fundamental para a saúde e bem-estar humano.

"A suplementação deve ser recomendada por alguém especializado", diz Inês Veiga, revelando que "os médicos prescrevem muito doses mensais, de toma única num mês, mas o que vamos ter é uma mega dose de vitamina D e costumo comparar isso muito à água. O que é saudável é beber 1,5 litros por dia. Na vitamina D, o ideal era tomar 15 minutos de sol todos os dias do ano. Não faz sentido dizer às pessoas que se não gostam de beber água todos os dias, que podem beber 45 litros num dia por mês e depois não precisa de beber mais água. Não é fisiológico apanhar escaldões no verão e depois não apanhar mais sol no resto do ano. A suplementação deve ter uma dose diária equilibrada e ao longo de todo o mês, para se conseguir manter níveis equilibrados, níveis fisiológicos da vitamina D".

Cuidados a ter na hora de tomar um suplemento de vitamina D

"A estratégia mais comum é procurar um multivitamínico que também tenha vitamina D. Regra geral, os multivitamínicos têm doses muito baixas de vitamina D, têm quase sempre aquilo a que se chama de dose diária recomendada, mas esta dose é muito conservadora, baixa, são 200 unidades internacionais e não é suficiente, está comprovado que mesmo quando se faz uma ingestão mínima não se dá resposta às necessidades. Um multivitamínico poderia ser uma opção, mas não nos oferece doses adequadas", diz Inês Veiga.

Para a farmacêutica, o primeiro passo a dar é procurar um médico e pedir análises que permitam perceber os níveis de vitamina D (e outros micronutrientes) que se tem. Depois, há que encontrar, junto do médico e/ou farmacêutico, a dose mais indicada para a necessidade em questão, "não se devendo pecar nem por defeito, nem por excesso, porque há atualmente suplementos alimentares que têm mega doses de vitamina D, na ordem de 10 mil unidades internacionais, doses que são muito elevadas e que poderão fazer sentido numa situação em que a pessoa tem uma deficiência muito elevada, mas durante um período de tempo curto, um mês e depois recorrer a uma dose mais equilibrada. Diria que uma dose equilibrada, em que se consegue um bom compromisso entre um aporte adequado que não seja excessivo, será de 1500 unidades internacionais por dia".

Mas é preciso fazer ainda mais. Ao Lifestyle ao Minuto, Inês Veiga alerta também para a importância de "procurar no rótulo informação relativamente à dose de vitamina D, não tomar uma dose muito baixa ou elevada, procurar qual a forma de vitamina D e aquela que é mais ativa no organismo é a vitamina D3". Caso se trate de uma pessoa que segue um padrão vegetariano ou vegan, então "o que digo muitas vezes é para tomarem uma forma de vitamina D ativa, sem que seja de origem animal como aquela que é extraída da gordura da lã de ovelha, é que podem optar por uma forma sintética. Claro que o ideal será sempre optar uma forma natural, segura, tolerada, bem absorvida pelo organismo".

É também importante verificar a embalagem e perceber sob que forma se apresenta a vitamina D", pois, explica, "há comprimidos, há cápsulas, há granulados... mas tendo em conta que a vitamina D é uma vitamina que depende da gordura para ser absorvida, o ideal é que esta vitamina D se encontre dissolvida numa gordura, mas numa gordura boa, que seja saudável, como o azeite. Uma fórmula ideal é a cápsula mole de vitamina D dissolvida em azeite".

E qual o problema de muitos suplementos granulados, gotas ou pós para dissolver? "É que muitas vezes, para não terem mau sabor, as empresas adicionam aditivos, como edulcorantes, açúcar, aromatizantes para dar um sabor mais agradável. Não há necessidade disso, há cápsulas pequenas bem eficazes", refere.

Para Ana Teresa Macário, a questão de carência de vitamina D é delicada e a melhor forma de travar um possível agravamento da carência deste nutriente passa, sobretudo, pela prevenção e não pela procura de soluções.

"Atuar na prevenção, estar atentos principalmente aos grupos de risco, às pessoas idosas, crianças, grávidas, pessoas que não apanham sol. Já se fala muito sobre o tema hoje em dia, já existe mais informação e as pessoas podem esclarecer-se junto de um profissional de saúde, um médico, um nutricionista, um enfermeiro que saibam esclarecer, mas o quanto antes atuar é muito, muito importante. Quando existe uma osteoporose muito marcada, aí então é muito mais complicado podermos atuar e é muito simples, basta fazer a suplementação com vitamina D, uma cápsula por dia todo o inverno pode fazer toda a diferença anos mais tarde na prevenção da osteoporose", conclui.

domingo, 15 de outubro de 2017

SINTOMAS DE ALZHEIMER

Os sinais de alerta da doença de Alzheimer.

Deve dar-se atenção para a mais comum forma de demência. Como com qualquer doença, é fulcral estar atento aos 10 sinais de alerta da doença de Alzheimer. Os pacotes de açúcar descrevem os 10 sinais de alerta da doença de Alzheimer, tais como:

1. Dificuldade em executar tarefas familiares;
2. Dificuldades e problemas de linguagem;
3. Afastamento do trabalho e da vida social;
4. Alterações de humor e personalidade;
5. Discernimento fraco ou diminuído;
6. Dificuldade em perceber imagens visuais e relações espaciais;
7. Dificuldade em planear ou resolver problemas;
8. Perda de memória;
9. Perda de noção de tempo e desorientação;
10. Trocar o lugar das coisas.

“A doença de Alzheimer, de causa ainda desconhecida, provoca a neurodegeneração e o consequente agravamento, progressivo e irreversível, das funções cerebrais culminando na total perda de autonomia”. A Organização Mundial de Saúde estima que existam 47.5 milhões de pessoas com demência no mundo. Número esse que pode atingir os 75.6 milhões em 2030 e quase triplicar em 2050 para os 135.5 milhões. A doença de Alzheimer representa cerca de 60 a 70% de todos os casos de demência, segundo dados da World Health Organization de 2015.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

ESTRATÉGIAS PARA AS CRIANÇAS COMEREM MELHOR



Três estratégias simples e rápidas para os miúdos comerem melhor

POR DANIELA COSTA TEIXEIRA


;Ser o exemplo é sempre o primeiro passo, mas existem outros três truques bastante eficazes.

Educar uma criança desde cedo a ter uma alimentação saudável é meio caminho andado para prevenir posteriores excessos alimentares e até mesmo casos de fome emocional, em que a pessoa recorre à comida para lidar com determinados sentimentos e situações.

Os pais devem assumir o papel de exemplo a seguir e, para tal, devem acompanhar diariamente os mais novos na luta por uma alimentação saudável, de forma a que as mudanças não só ocorram em toda a família, como também sejam mais facilmente adquiridas pelas crianças.

Mas existem outras estratégias bastante práticas e eficazes. A primeira, diz o site Consumer Reports, passa por fazer as refeições em conjunto sempre que possível. O objetivo é que os miúdos não se sintam isolados ou castigados com a nova refeição. Além do mais, a ciência já provou que as refeições em família têm um impacto tremendo na luta contra a obesidade das crianças.

Depois, há que reduzir ao máximo o açúcar, seja na sua forma mais comum (refinado) ou como ingrediente adicionado. Aqui, os pais devem excluir das compras os alimentos processados e trocá-los por opções mais saudáveis, como o iogurte com granola (desde que seja caseira) ou gelado caseiro feito com fruta. Os sumos e refrigerantes também devem ser substituídos por águas aromatizadas, por exemplo.

Porém, o açúcar não tem de ser totalmente eliminado da alimentação, pelo contrário, deve-se criar o hábito de apenas o consumir em momentos festivos, de modo a que as crianças não sintam falta deste tipo de alimentos noutras ocasiões. Siga estas três dicas para reduzir o açúcar na alimentação das crianças.

A terceira estratégia a pôr em prática tem uma dupla função: contrariar a vontade de comer doces e melhorar os níveis nutricionais da alimentação. Como? Com a inclusão de frutas e vegetais em todas as refeições. Além destes alimentos darem mais cor e sabor ao prato, podem ainda contribuir para um melhor desenvolvimento físico e cognitivo da criança (sim, ter mais energia e melhores notas depende muito daquilo que a criança come). E, claro, os ossos também ficam a ganhar.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

CALDO VERDE EVITA O CANCRO

O caldo verde evita o cancro!
Por Manuel Luciano da Silva, Médico. (Recebido por e.mail em 6/9/2017)



Muita gente sabe que o caldo verde é uma sopa de couve portuguesa. A receita do caldo verde é muito simples: água, sal, batata ralada, couves cortadas às tiras fininhas, azeite português.

De todos os cozinhados tipicamente portugueses o caldo verde é o melhor para a nossa saúde. O caldo verde evita o cancro.?! Evita os ataques do coração por reduzir no sangue o colesterol. Evita as pedras na vesícula e evita as hemorróidas. Se isso é verdade, porque é que levou tanto tempo a descobrir que o caldo verde é tão milagroso?!

Na década de setenta o famoso médico inglês Burkitt chefiou um grupo de médicos da Grã Bretanha que foram para a África Central estudar as diferenças entre as doenças que existem na selva e na zona metropolitana de Londres e descobriram que existe no continente africano um tipo de cancro diferente que é causado por um vírus e este tipo de cancro passou a chamar-se Linfoma não-Hodgkinde Burkitt. E veio esclarecer as diferenças que existem entre a dieta dos nativos africanos e a dieta do povo londrino.

Os médicos ingleses verificaram que os nativos nunca tinham prisão de ventre, não contraiam cancro do recto, não tinham ataques do coração, não sofriam de hemorróidas, nem apendicite aguda! Os médicos britânicos constataram que os nativos africanos defecavam ou obravam, durante 24 horas, um volume, QUATRO VEZES maior do que qualquer cidadão inglês!

Os mesmos médicos prosseguindo com as suas pesquisas concluíram que a diferença de saúde entre o povo inglês e os nativos em África se devia ao facto dos africanos comerem noventa por cento de alimentos ricos em fibras vegetais, que não chegam a ser absorvidos no intestino e saem nas fezes praticamente intactos, aumentando assim volume fecal, evitando portanto a prisão de ventre!

Nos últimos anos, mais de mil especialistas em todo o mundo têm publicado artigos em jornais e revistas médicas sobre as observações da equipa médica do Dr. Burkitt, CONFIRMANDO que os alimentos melhores para a nossa saúde são aqueles que têm mais fibras vegetais não-reabsorvíveis e que nos obrigam a visitar mais vezes a retrete.... Tive oportunidade de ouvir uma conferência sobre este assunto pelo Dr. Burkitt, há vários anos, no Hospital de Roger Williams, em Providence, hode Island, na qual o famoso médico usou esta frase bombástica: "É MAIS IMPORTANTE SABERMOS O VOLUME DIÁRIO DE FESES DE UMA PESSOA DO QUE O VALOR DO SEU AÇÚCAR OU DO SEU COLESTEROL!"

BENEFÍCIOS DO CALDO VERDE

Para apreciarmos as maravilhosas qualidades do caldo verde temos que primeiro analisar o nosso aparelho digestivo. O seu o comprimento, a distância que vai da boca até ao ânus é quase SETE vezes a altura de cada pessoa! Deste modo, se um homem tem de altura um metro e meio, o seu tubo digestivo possui DEZ METROS de comprimento! É igual à mangueira de regar o quintal!...

Assim compreendemos melhor porque é que a Natureza exige que a nossa alimentação contenha 90 por cento de alimentos com fibras vegetais que não sejam reabsorvidas. É preciso que a nossa alimentação contenha substâncias que não desapareçam, que não sejam reabsorvidas, no percurso do tubo.

Analisemos agora, o conteúdo do caldo verde:

COUVES - são a parte mais importante do caldo verde porque são muito ricas em fibras não-reabsorvíveis. São muito ricas em vitamina A e complexo B (tiamina, riboflavina e niacina). Possuem também cálcio, ferro, fósforo, potássio, mas têm poucas calorias.
AZEITE -- O azeite deve ser português porque é muito rico em ácidos não-saturados que fazem baixar o colesterol mau.
BATATA -- serve para amaciar, tornar mais homogéneo o sabor do caldo verde e o seu valor calórico não está fora de ordem.
ÁGUA QUENTE -- A água quente do caldo verde é muito importante, porque faz funcionar muito melhor os sucos digestivos e os fermentos ou enzimas do aparelho digestivo. A água quente faz descontrair os esfíncteres ou válvulas do aparelho digestivo, estimula a contracção normal da vesícula biliar e relaxa o estômago e os intestinos delgado e grosso, tornando a nossa digestão agradável e saudável.
SAL-- Não deve ser exagerado. Só o indispensável!
CHOURIÇO -- Para ser cortado às rodelas e pôr no caldo verde -- deve ser cozido à parte para se deitar fora a água porque contém os produtos cancerígenos do chouriço devido ao processo de ter sido defumado.
BROA -- A broa deve ser à moda portuguesa feita com o farelo e farinha de milho.

Quem comer uma malga de caldo verde todos os dias não tem prisão de ventre! Quem não tem prisão de ventre não tem hemorróidas! Por outro lado, uma pessoa fazendo as suas necessidades diariamente, o fígado é obrigado a produzir mais bílis e a vesícula a expelir mais sais biliares para untar a tripa por dentro para que os alimentos deslizem melhor. Deste modo saindo mais bilis (rica em colesterol) para o exterior através das fezes, dá-se uma baixa de colesterol no sangue, diminuindo os riscos de ataques cardíacos e de pedras da vesícula (compostas por colesterol)!
O caldo verde faz também com que a pessoa emagreça e se torne mais saudável e mais feliz.

CANCRO DO CÓLON

Tem-se verificado uma relação directa entre a prisão de ventre e o cancro do cólon ou do intestino grosso. Porquê? Porque quando há prisão de ventre as fezes ficam paradas no intestino grosso ou cólon e, assim, os produtos tóxicos contidos nas FEZES RETIDAS bombardeiam as células da mucosa intestinal de tal maneira que, com a REPETIÇÃO deste processo, desencadeia-se o princípio do cancro do cólon que é uma doença terrível!
Como contra prova dos estudos que a equipa do Dr. Burkitt observou em África, deram-se aos nativos africanos dietas iguais à que os ingleses e americanos usam com McDonalds, "ice cream" ou sorvetes, pizzas, lasanhas, batatas fritas, etc. Inverteu-se a dieta: em vez de 90 % de dieta com vegetais os nativos africanos passaram a ter uma dieta de só DEZ por cento de vegetais. Resultados: Os nativos começaram a engordar, o colesterol começou a subir, passaram a ter prisão de ventre e a desenvolver hemorróidas como os ingleses e os americanos!
Parece incrível, mas é verdade! No fim do século XX são os povos primitivos a ensinar ao homem civilizado, ao homem dos produtos sintéticos e das pastilhas qual é a alimentação mais saudável! Há mais de 40 anos visitei as Termas de Melgaço no Norte de Portugal. Estas termas são especialmente dedicadas a doentes diabéticos, cardíacos e renais. Observei então que fazia parte do tratamento obrigatório, a todas as refeições diárias, um grande prato de caldo verde.
E todo o doente que quisesse comer fora das três refeições só podia comer mais outro prato de caldo verde! O certo é que todos os doentes melhoravam das suas enfermidades!

Ainda hoje, em Coimbra, quando os estudantes fazem uma farra ou há uma reunião de curso e se come e se bebe exageradamente... depois duma bela guitarrada, à meia noite, serve-se sempre um caldo verde – bem quente -- para "limpar e acalmar as entranhas"... Quando tiver uma festa grande em sua casa faça o mesmo: ofereça aos seus convidados um caldo verde para despedida e para terem boa viajem!...

RECEITA DO CALDO VERDE À MODA DE VALENÇA DO MINHO

Dois litros de água;
4 colheres de sopa de azeite português;
500 gramas de batatas;
1 ou 2 couves galegas conforme o tamanho;
sal;
1 chouriço (cozido à parte);
broa.

TÉCNICA:

Deita-se a água numa panela com o azeite e as batatas descascadas cortadas em 4 pedaços. Põe-se sal quanto baste e deixa-se ferver. Quando as batatas estiverem cozidas, tiram-se e passam-se por um passador. Voltam à panela para apurar. Entretanto cortam-se as couves em tiras o mais fino possível. Lavam-se e deitam-se na panela QUINZE minutos antes da sopa ser servida, deixando a panela ferver DESTAPADA. Serve-se o caldo verde em tigelas de barro, com uma rodela de chouriço e um bocadinho de broa.
Como já se encontram à venda na Nova Inglaterra as deliciosas sardinhas portuguesas congeladas, pode ser que algum dia algum comerciante se lembre de fazer coisa semelhante e nos mande as couves galegas já cortadas às tirinhas em caixinhas congeladas, prontas a meter na panela, para saborearmos, mesmo durante o Inverno severo na América, o nosso genuíno caldo verde!

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

DEVEMOS TER MAIS CUIDADO COM A ALIMENTAÇÃO

"Estamos a morrer de doenças que se relacionam com a alimentação" 170814. Por Daniela Costa Teixeira

Detentor daquilo a que a ciência chama de alimentação de excelência, Portugal parece estar de costas voltadas para a dieta mediterrânica. Qual o impacto disso? Mais peso e menos saúde. Falamos com Alexandra Bento, Bastonária da Ordem dos Nutricionistas, sobre o verdadeiro impacto da alimentação na saúde.



Global Imagens

Jovens com peso a mais, idosos com nutrientes a menos. Portugal assume-se como um país bipolar a nível nutricional e não faltam culpados para isso.

Da falta de formação, à má informação, passando pela escassez de acesso até ao comodismo a uma cultura sedentária que se alastra de dia para dia, são muitos os fatores que interferem com a saúde dos portugueses. E em todos eles há um denominador comum: a alimentação.

Por favor, LEIA MAIS, Cliqu AQUI.

sábado, 5 de agosto de 2017

EVITE ADORMECER AO VOLANTE


Não adormeça ao volante. Conheça os sintomas e formas de os prevenir

Transcrição de texto de: POR INÊS ANDRÉ DE FIGUEIREDO

Muitos acidentes rodoviários ocorrem pela sonolência dos condutores e a campanha 'Não conduza de Olhos Fechados' quer travar essa tendência.

A sonolência ao volante continua a estar na origem de 20% dos acidentes de viação, o que levou a Sociedade Portuguesa de Pneumologia, através da Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono, a Linde, a GNR e a Prevenção Rodoviária a lançar uma campanha que alerta para a causa.

“Em época de verão, de viagens mais longas rumo às férias e de regresso de tantos emigrantes ao nosso país, consideramos fundamental recordar a importância de um sono reparador antes de viajar”, explica Susana Sousa, representante da Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono da Sociedade Portuguesa de Pneumologia, em comunicado.

Deste modo, a campanha ‘Não conduza de Olhos Fechados’ pretende “alertar para os sinais de sonolência ao volante e reforçar o ensino de medidas de boa higiene do sono para uma viagem sem percalços”.

“Tão importante como alertar para o perigo da condução sob efeito do álcool, de não cumprir as velocidades recomendadas ou de usar o telemóvel durante a condução, é [relevante] chamar a atenção para o perigo da sonolência ao volante”, esclarece a Comissão de Trabalho de Patologia Respiratória do Sono.

Para travar os acidentes de viação que têm como principal causa a sonolência é importante conhecer alguns dos principais sinais da presença de sono quando se está ao volante. Bocejos frequentes, dificuldade de concentração, dificuldade em focar e manter os olhos abertos, estar com a sensação de sonhar acordado, reagir com mais lentidão e ter os pensamentos desconexos e dificuldade em memorizar acontecimentos imediatamente anteriores são alguns dos principais factores de alerta.

Assim, e com o intuito de proteger a vida, quando se conduz é aconselhado que se durma 7-9 horas, que não se pegue num carro quando há sinais de sonolência e que se planeie a viagem com antecedência, considerando a partilha do volante em trajetos longos. Caso sinta algum dos sintomas acima referidos, deverá “parar o carro e dormir uma sesta de 15-20 minutos” para recuperar energias. Recorde-se que um estudo recente feito na Europa e que contou com quase 13 mil cidadãos, 1.093 dos quais portugueses, “concluiu que 23% dos participantes já tinham adormecido ao volante pelo menos uma vez nos últimos dois anos e 8% referiram ter tido um risco de acidente de viação como consequência de terem adormecido”.

NOTA:

Tenha uma CONDUÇÃO SEGURA nas viagens das férias. Não coloque em risco a sua vida e a dos familiares e amigos. Vale mais prevenir do que remediar.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

ARTRITE REUMATÓIDE. SAIBA MAIS

ARTRITE REUMATOIDE – SINTOMAS, CAUSAS E TRATAMENTO
Por Dr. Pedro Pinheiro
30 de Abril de 2017

A artrite reumatoide (AR) é uma doença inflamatória crônica, que acomete mais as mulheres adultas e pode atacar vários órgãos e tecidos do corpo, mas apresenta uma clara preferência pelas articulações, principalmente as dos membros superior e inferior. Neste artigo vamos explicar o que é a artrite reumatoide, quais são os seus sintomas e quais são os tratamentos mais efetivos para o controle da doença.

(Para ler mais, faça clique aqui)